Blake e a voz profética do Diabo: dualidade corpo e mente em paralelo a texto e imagem

Andrio J.R dos Santos, Enéias Farias Tavares

Resumo


Para além da querela crítica e teórica entre pintura e poesia, os livros iluminados de William Blake podem ser abordados como uma forma de arte híbrida e compósita. Nessa acepção, pretendemos analisar a relação entre o texto e as imagens da lâmina quatro da obra O Matrimônio de Céu e Inferno, intitulada A Voz do Diabo. Essa sessão ataca ideias religiosas dualistas, que fracionam as concepções do “todo humano” entre corpo e alma. Através da crítica ao dualismo, Blake intenta reconciliar os opostos de céu e inferno, corpo e alma e, em um paralelo, poesia e pintura. Como referencial teórico e crítico, utilizaremos autores como Bosi, Frye, Makdisi e Wolfson.

 


Palavras-chave


Dualidade; Demônio; Arte compósita.

Texto completo:

PDF

Referências


BACHELARD, Gaston. A Água e os Sonhos – Ensaio sobre a imaginação da matéria. São Paulo: Livraria Martins Flores Editora Ltda, 1997.

______. A psicanálise do fogo. São Paulo: Martins Fontes, 1994.

BAXANDALL, Michael. Padrões de Intenção – A explicação histórica dos quadros. São Paulo: Companhia das Letras, 2006, p. 31-44.

BLAKE, William. Laocoön, copia B, c. 1826-27. Disponível em: . Acesso em: 02 fev. 2017.

______. The Marriage of Heaven and Hell, Cópia H, 1790. Disponível em: . Acesso em: 02 fev. 2017.

BOSI, A. O Ser e o Tempo da Poesia. São Paulo: Companhia das Letras, 2000, p. 19-46.

BUTLER. Judith P. Subjects of desire: Hegelian Reflections in Twentieth-Century France. New York: Columbia University Press, 1987.

FRYE, Northrop. Fearful Symmetry – A Study of William Blake. Princeton: Princeton University Press, 1990.

MAKDISI, Saree. The political aesthetic of Blake’s images. In: EAVES, M. (Ed.) Cambridge Companion to William Blake. Cambridge: Cambridge University Press, 2003, p. 110 – 132.

GREEN, Matthew J. A. Visionary Materialism in the Early Works of William Blake – The Intersection of Enthusiasm and Empiricism. New York: Palgrave Macmillan, 2005.

HAGSTRUM, Jean H. William Blake, Poet and Painter: An Introduction to the Illuminated Verse. Chicago: Chicago University Press, 1964.

KOJÈVE, Alexandre. Introdução à leitura de Hegel. Rio de Janeiro: Editora da Universidade do Rio de Janeiro, 2002.

LESSING, G. E. Laocoonte ou Sobre As Fronteiras da Pintura e da Poesia. São Paulo: Iluminuras, 2011.

MAKDISI, Saree. The political aesthetic of Blake’s images. In: EAVES, M. (Ed.) Cambridge Companion to William Blake. Cambridge: Cambridge University Press, 2003, p. 110 – 132.

MELLO, S. J. Ut Pictura Poesis e as Origens Críticas da correspondência entre a literatura e a pintura na antiguidade clássica. In: Miscelânea, Volume 07, 2010, p. 215-241.

MITCHELL, W. J. T. Blake’s Composite Art. Princeton: Princeton University Press, 1985.

TAVARES, Enéias Farias. As Portas da Percepção: Texto e Imagem nos Livros Iluminados de William Blake. Tese de Doutorado. Santa Maria: Universidade Federal de Santa Maria, 2012.

WARD, A. "William Blake and his circle". In: EAVES, M. (Ed.) Cambridge Companion to William Blake. Cambridge: Cambridge University Press, 2003, p. 19-36.

WOLFSON, Susan J. Blake’s language in poetic form. In: EAVES, M. (Ed.) Cambridge Companion to William Blake. Cambridge: Cambridge University Press, 2003, p. 63 – 84.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Estação Literária
Londrina/ PR
ISSN: 1983-1048
E-mail: estacaoliteraria@uel.br