O dia em que Sam morreu: reminiscências e distanciamentos do herói trágico no drama contemporâneo

Márcio Henrique de Almeida Soares, Adilson dos Santos

Resumo


Considerando a discussão em torno da impossibilidade de constituição de um herói verdadeiramente trágico na dramaturgia a partir do Modernismo, levantada por pensadores como Peter Szondi e Walter Benjamin, este estudo tem por objetivo investigar o que pode ter sobrevivido desse herói na personagem trágica da atualidade. Para tanto, identificamos algumas transformações históricas sofridas pelo herói trágico e, com base nessas informações e nas ideias de teóricos contemporâneos como Jean-Pierre Sarrazac e Anatol Rosenfeld, buscamos identificar reminiscências e distanciamentos dessa personagem no drama O dia em que Sam morreu, de Maurício Arruda Mendonça e Paulo de Moraes.

 


Palavras-chave


Herói trágico; Drama contemporâneo; <i>O dia em que Sam morreu</i>.

Texto completo:

PDF

Referências


ADADE-YEBOAH, Asuamah; AHENKORA, Kwaku. The tragic hero of the neo-classical revival. International Journal of Humanities and Social Science. v. 2, n. 14, p. 104-108, Jul. 2012. Disponível em: . Acesso em: 12 set. 2015.

________; AMANKWAAH, Adwoa S. The tragic hero of the post-classical renaissance. Studies in Literature and Language. v. 5, n. 3, p. 119-123. 2012. Disponível em: . Acesso em: 12 set. 2015.

________; OWUSU, Edward. The tragic hero of the modern period: the european concept. Studies in Literature and Language. v. 6, n. 3, p. 33-38. 2013. Disponível em: Acesso em: 15 set. 2015.

ARISTÓTELES. Arte poética. Arte retórica e arte poética. Trad. Antônio Pinto de Carvalho. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1964.

BAUMAN, Zygmunt. A sociedade individualizada: vidas contadas e histórias vividas. Trad. José Gradel. Rio de Janeiro: Zahar, 2009.

BERTHOLD, Margot. História mundial do teatro. São Paulo: Perspectiva, 2001.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Trad. Tomaz Tadeu da Silva e Guacira Lopes Louro. 11. ed. Rio de Janeiro: DP&A Editora, 2006.

LASH, Markus. Peter Szondi e as visões do trágico na modernidade. Revista Terceira Margem, Rio de Janeiro, n. 27, 2013. Disponível em: . Acesso em: 15 set. 2015.

MENDONÇA, Maurício Arruda; MORAES, Paulo de. O dia em que Sam morreu. Londrina: Kan, 2014.

RACINE, Jean. Fedra. Teatro francês. Trad. A. F. de Castilho e Mendo Trigoso. Rio de Janeiro: W. M. Jackson Inc., 1950.

ROSENFELD, Anatol. O mito e o herói no moderno teatro brasileiro. São Paulo: Perspectiva, 1996.

________. Reflexões sobre o romance moderno. In: ________. Texto/Contexto. 2. ed. São Paulo: Perspectiva, 1973.

SARRAZAC, Jean-Pierre. Sete observações sobre a possibilidade de um trágico moderno – que poderia ser um trágico (do) quotidiano. Pitágoras 500. Trad. Lara Biasoli Moler. v. 4, p. 3-15, Abr. 2013. Disponível em: . Acesso em: 13 set. 2015.

SHAKESPEARE, William. Hamlet. Hamlet, Rei Lear, Macbeth. Trad. Bárbara Heliodora. São Paulo: Abril, 2010.

SÓFOCLES. Rei Édipo. Trad. J. B. de Mello e Souza. Disponível em: . Acesso em: 18 set. 2015.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Estação Literária
Londrina/ PR
ISSN: 1983-1048
E-mail: estacaoliteraria@uel.br