A casa como espaço de resistência nas narrativas de Vera Moll, Lygia Fagundes Telles e Maria Amélia Mello

Enedir S. Santos, Rubens Aquino Oliveira, Kelcilene Grácia-Rodrigues

Resumo


Os espaços ocupam lugar de destaque na construção da narrativa porque além das referências geográficas, constituem-se como lugares de existência e representação social. Nas narrativas masculinas, o macroespaço casa e os microespaços domésticos são representados sob a égide do poderio masculino e do patriarcalismo. A narrativa de autoria feminina procura imprimir um novo olhar para a posição e a ocupação da mulher nesse espaço. À luz dos estudos de Michel Foucault, dentre outros, analisaremos como o espaço doméstico se configura como espaço de resistência feminina nas narrativas produzidas por Moll (1981), Telles (2009) e Mello (1984).

 


Palavras-chave


Autoria feminina; Narrativas; Espaço ficcional; Resistência.

Texto completo:

PDF

Referências


BARTHES, Roland. O efeito do real. In: ________. O rumor da língua. São Paulo: Martins Fontes, 2004, p. 181-198.

BEAUVOIR, Simone. O segundo sexo: mitos e fatos. Trad. de Sérgio Milliet. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1980.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. Trad. Maria Helena Kuhner. 2 ed.. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002.

BRANDÃO, Luís Alberto. Espaços literários e suas expansões. Aletria: Revista de Estudos de Literatura – Poéticas do espaço. vol. 15, n. 1, p. 207-220, jan.-jun./2007.

BRANDÃO, Luís Alberto. Teorias do espaço literário. São Paulo: Perspectiva, 2010.

COELHO, Nelly N. A literatura feminina no Brasil contemporâneo. São Paulo: Siciliano, 1993.

COELHO, Nelly N. Dicionário crítico de escritoras brasileiras: (1711-2001). São Paulo: Escrituras Editora, 2002.

COLASANTI, Marina. “Por que nos perguntam se existimos”. In: SHARPE, Peggy (org.). Entre resistir e identificar-se: para uma teoria da prática da narrativa brasileirade autoria feminina. Florianópolis: Editora Mulheres; Goiânia: Editora da UFG, 1997. p. 33-43.

COLASANTI, Marina. “A moça tecelã”. In: ________. Doze reis e a moça no labirinto do vento. 10. ed. São Paulo: Global, 2001, p. 9-14.

DALCASTAGNÈ, Regina. A construção do feminino no romance brasileiro contemporâneo. Disponível em: . Acesso em: 29 set. 2016.

DALCASTAGNÈ, Regina. Literatura brasileira: um território contestado. Vinhedo: Editora Horizonte, 2012.

DENSER, Márcia. Diana caçadora & Tango fantasma: duas prosas reunidas. Cotia: Ateliê Editorial, 2003.

FOUCAULT, Michel. Outros espaços. In: ________. Ditos & Escritos III – Estética: Literatura e Pintura, Música e Cinema. Trad. Inês Autran D. Barbosa. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2001. pp. 411-422

LINS, Osman. Lima Barreto e o espaço romanesco. São Paulo: Ática, 1976.

MELLO, Maria Amélia. Às oito, em ponto. São Paulo: Max Limonad, 1984.

MELLO, Sylvia Leser. Prefácio. In: XAVIER, Elódia. Declínio do patriarcado: a família no imaginário feminino. Rio de Janeiro: Record: Rosa dos Tempos, 1998. pp. 9-12.

MOLL, Vera. Teias de aranha. Rio de Janeiro: Antares, 1981.

REIS, Carlos; LOPES, Ana C. M. Dicionário de Teoria da Narrativa. São Paulo: Ática, 1988.

TELLES, Lygia Fagundes. Meus contos esquecidos. Rio de Janeiro: JPA, 2009.

VERUNSCHK, Micheliny. Geografia Íntima do Deserto. In: Geografia Íntima do Deserto. São Paulo: Landy, 2003. pp. 73.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Estação Literária
Londrina/ PR
ISSN: 1983-1048
E-mail: estacaoliteraria@uel.br