Alieksiêi Karamázov: o herói romanesco problemático de Dostoiévski

Ana Gabriela Dutra da Silva, Luciana Brito

Resumo


Na nova configuração que se instaura com o mundo burguês, a epopeia desaparece para dar lugar a uma nova forma que apresenta condições de lidar com esse mundo que não mais compreende a totalidade e o sentido de comunidade da epopeia clássica – o romance. O gênero romanesco, habitado por uma personalidade que, além de errante, é solitária e tem como tarefa individual a busca pela verdade, torna-se, assim, o texto representativo da era moderna. Tal gênero, então, passa a ser a epopeia de um mundo abandonado por Deus, no qual um herói degradado sai em busca de uma totalidade perdida, como é o caso da personagem a ser estudada neste artigo, Alieksiêi Karamázov.


Palavras-chave


Dostoiévski; Os Irmãos Karamázov; Alieksiêi Karamázov; Personagem moderna.

Texto completo:

PDF

Referências


ANTUNES, Letizia Zini. Teoria da narrativa: o romance como epopeia burguesa. In: ________. (Org.). Estudos de literatura e linguística. São Paulo: Arte e Ciência, 1998.

ARTEAGA, C. G. O herói da modernidade em Dostoiévski e Graciliano Ramos. 2011. 131 f. Tese (Doutorado em Literatura Comparada) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2011.

BAKHTIN, Mikhail. Questões de literatura e de estética: a teoria do romance. Tradução de Aurora Bernardini et al. São Paulo: Editora da Unesp, 1988.

BEZERRA, Paulo. Posfácio. In: DOSTOIÉVSKI, Fiódor. Os Irmãos Karamázov. São Paulo: Editora 34, 2008.

________. Posfácio. In: DOSTOIÉVSKI, Fiódor. O duplo. São Paulo: Editora 34, 2011.

CARVALHO JÚNIOR, D. B. A morte do herói – Introdução ao estudo de sobrevivência de modelos míticos nas Histórias em Quadrinhos. 2002. 100 f. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2002.

DAFFERNER, Silvia. Do romance burguês ao expressionismo. Academos: Revista Eletrônica da IFA. São Bernardo do Campo, v. 4, 2008. Disponível em: . Acesso em: 6 ago. 2013.

DOSTOIÉVSKI, Fiódor. Os Irmãos Karamázov. São Paulo: Editora 34, 2008.

FEHÉR, Ferenc. O Romance Está Morrendo? Tradução de Eduardo Lima. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1972.

FONTES, R. L. M. O romance como epopéia de uma era: um estudo do romance Angústia, de Graciliano Ramos. 2010. 107 f. Dissertação (Mestrado em Teoria da Literatura) – Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2010.

FRANK, Joseph. Dostoiévski O Manto do Profeta 1871 a 1881. São Paulo: EDUSP, 2007.

GOLDMANN, Lucien. Introdução aos problemas de uma sociologia do romance. In: ________. Sociologia do romance. Tradução de Álvaro Cabral. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1976.

HEGEL, G. W. F. Curso de Estética. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2004.

KLAUCK, Ana Paula. O herói problemático de Georg Lukács: aplicação da teoria em Os Ratos, de Dyonélio Machado. Revista Voz das Letras, Concórdia, n. 12, 2009.

LUKÁCS, Georg. A Teoria do Romance: um ensaio histórico-filosófico sobre as formas da grande épica. Tradução de José Marcos Mariani de Macedo. São Paulo: Duas Cidades; Editora 34, 2009.

MANZANO, Thais Rodegheri. A era da ansiedade. In: ________. E se a literatura se calasse? São Paulo: Terceiro Nome, 2011.

PAZ, Octavio. A ambiguidade do romance. In: ________. Signos em rotação. São Paulo: Perspectiva, 1976.

WATT, Ian. A ascensão do romance. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Estação Literária
Londrina/ PR
ISSN: 1983-1048
E-mail: estacaoliteraria@uel.br