Sedução e homoerotismo no Bildungsroman de autoria feminina contemporâneo: uma leitura de Pérolas absolutas, de Heloísa Seixas

Wilma dos Santos Coqueiro

Resumo


Nesse trabalho, busca-se discutir a evolução do Bildungsroman que, devido à maleabilidade característica do gênero romance, passa por problematizações, podendo-se, então, falar de um romance de formação que inclui as minorias. No que concerne à literatura feminina, percebe-se que a formação das personagens
femininas diferencia-se, substancialmente, do processo de formação masculina. Devido ao pouco espaço ainda destinado às mulheres na sociedade, as experiências formadoras femininas são mais subjetivas, como se pode observar no romance Pérolas Absolutas, de Heloísa Seixas. Nessa obra, as personagens, após experiências amorosas fracassadas, descobrem-se em uma relação homafetiva de plenitude e felicidade.

 


Palavras-chave


Bildungsroman; Personagens femininas; Experiências subjetivas; Homoerotismo.

Texto completo:

PDF

Referências


ASSIS, Machado de. Dom Casmurro. 29. ed. São Paulo: Ática, 1995.

BAKHTIN, Mikhail. Problemas da poética de Dostoiévski. Tradução: Paulo Bezerra. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.

BAUDRILLARD, Jean. Da sedução. Tradução: Tânia Pellegrini. 3.ed. Campinas, SP: Papirus, 2000.

BENJAMIN, Walter. Charles Baudelaire, um lírico no auge do capitalismo. Tradução: José Martins Barbosa e Hamerson Alves Baptista. São Paulo: Brasiliense, 1989.

BRANDÃO, Junito de Souza. Mitologia Grega. Petrópolis: Vozes, 2005.

CHEVALIER, Jean e GEERBRANT, Alain. Dicionário dos Símbolos: (mitos, sonhos, costumes, gestos, formas, figuras, cores, números). Tradução: Vera da Costa e Silva. 24. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 2009.

HUTCHEON, Linda. Poética do pós-modernismo: história, teoria e ficção. Tradução: Ricardo Cruz. Rio de janeiro: Imago, 1991.

LUKÁCS, Georg. A teoria do romance: um ensaio histórico-filosófico sobre as formas da grande épica. São Paulo: Duas Cidades; Editora 34, 2000.

MAAS, Wilma Patricia Marzari Dinardo. O cânone mínimo: o bildungsroman na história da literatura. São Paulo: UNESP, 2000.

MAFFESOLI, Michel. Sobre o nomadismo: vagabundagens pós-modernas. Tradução: Marcos de Castro. Rio de Janeiro: Record, 2001.

PINTO, Cristina Ferreira. O Bildungsroman feminino: Quatro exemplos brasileiros. São Paulo: Perspectiva, 1990.

PORCHAT, Ieda. Pensando a dor e a separação conjugal. In: ________. (org.). Amor, Casamento, Separação: a falência de um mito. São Paulo: Brasiliense, 1992. p. 103-126.

SEIXAS, Heloísa. Pérolas Absolutas. Rio de Janeiro: Record, 2003.

TOURAINE, Alain. O Mundo das Mulheres. Tradução: Francisco Morás. 3. ed. Petrópolis: Vozes, 2011.

VASCONCELOS, Sandra Guardini Teixeira. A Formação do Romance Inglês: ensaios teóricos. São Paulo: Fapesp, 2007.

VENTURELLI, Paulo César. O romance como arena polifônica. (Entrevista). IHU online. Disponível em: www.usinos.brihu. Acesso em: 16 abr. 2014.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Estação Literária
Londrina/ PR
ISSN: 1983-1048
E-mail: estacaoliteraria@uel.br