Do masculino ao andrógino: Acenos e afagos, de João Gilberto Noll

Diego Gomes do Valle

Resumo


O presente artigo procura apontar elementos suficientes para uma discussão a respeito da representação da masculinidade nos romances de João Gilberto Noll. Quando se analisa o todo romanesco de Noll, percebe-se uma intensa problematização das representações da sexualidade, exemplificadas nos destinos esvaziados e aleatórios de seus heróis. Dentre esses romances, Acenos e afagos (2008) destaca-se como sendo o mais experimental, o que mais desafia a ordem dos sexos, os limites físicos e identitários que se vinculam à anatomia dos seres. Deste modo, espera-se que a estética da androginia, i.e., a mistura deliberada dos dois sexos/gêneros, resulte evidente após os argumentos e exemplos apresentados nesse artigo.

 


Palavras-chave


Andrógino; João Gilberto Noll; Masculinidade.

Texto completo:

PDF

Referências


BATAILLE, Georges. O erotismo. Trad. Antônio Carlos Viana. Porto Alegre: L&PM Editores, 1987.

CAMUS, Albert. O mito de Sísifo. Trad. Ari Roitman e Paulina Watch. Rio de Janeiro: Record, 2005.

CARVALHO, Bernardo. Nove noites. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

CHEVALIER, Jean; GHEERBRANT, Alain. Dicionário de símbolos. Trad. Vera Costa e Silva [et al.]. Rio de Janeiro: José Olympio, 2009.

FOUCAULT, Michel. Outros espaços. In: ________. Ditos e escritos III - Estética: Literatura e pintura, música e cinema. Trad. Inês Autran Dourado Barbosa. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2003.

FRYE, Northrop. O caminho crítico: um ensaio sobre o contexto social da crítica literária. Trad: Antônio Arnoni Prado. São Paulo: Editora Perspectiva, 1973.

KIRKPATRICK, Gwen. Nómadas o nativos, abejas o arañas: Literatura en movimento em América Latina. Revista de Crítica Literaria Latinoamericana, ano 29, n. 58, p.78-89, 2003.

NOLL, João Gilberto. A céu aberto. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

________. Acenos e afagos. Rio de Janeiro: Record, 2008.

________. João Gilberto Noll no Paiol literário. (2009). Disponível em: . Acesso em: 26 dez. 2015.

OTSUKA, Edu T. Marcas da catástrofe: experiência urbana e indústria cultural em Rubem Fonseca, João Gilberto Noll e Chico Buarque. São Paulo: Nankin Editorial, 2001.

PERKOSKI, Norberto. A transgressão erótica na obra de João Gilberto Noll. Santa Cruz do Sul: Edunisc, 1994.

PLATÃO. O banquete. Trad. José Cavalcante de Souza. 5 ed. São Paulo: Editora Nova Cultural, 1979.

TREECE, David. Prefácio. In: NOLL, João Gilberto. Romances e contos reunidos. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

ALLE, Diego Gomes do. A gênese niilista de João Gilberto Noll. Navegações: Revista de Cultura e Literatura de Língua Portuguesa, v. 8, n. 1, p. 16-25, 2015. Disponível em: . Acesso em: 26 dez. 2015.

WOOD, James. Como funciona a ficção. Trad. Denise Bottmann. São Paulo: Cosac Naify, 2012.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Estação Literária
Londrina/ PR
ISSN: 1983-1048
E-mail: estacaoliteraria@uel.br