O pai bandalho e os filhos partidos ao meio

Evelyn Blaut Fernandes

Resumo


A proposta deste artigo está centrada na abordagem de experiências masculinas, nomeadamente a paternidade, o gênero e os afetos na obra de António Lobo Antunes. Ao invés de traçar perfis a partir de personagens masculinos, o que se pretende é refletir sobre as redefinições e a pluralidade nos relacionamentos entre pai e filho através de novas configurações que permeiam o diálogo com a dança. Mais do que um tema, a dança é um modo de pensar, um movimento convergente, a construção de uma coreografia dos (des)afetos.


Palavras-chave


António Lobo Antunes; Paternidade; Travestismo; Dança.

Texto completo:

PDF

Referências


AGAMBEN, Giorgio. Homo sacer: o poder soberano e a vida nua I. Trad. Henrique Burigo. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2002.

ANTUNES, António Lobo. Auto dos danados. 18. ed./ 1. ed. ne varietur. Lisboa: Dom Quixote, 2005 [1985].

______. As naus. 6. ed./ 1. ed. ne varietur. Lisboa: Dom Quixote, 2006 [1988].

______. A morte de Carlos Gardel. 4. ed./ 1. ed. ne varietur. Lisboa: Dom Quixote, 2008 [1994].

______. Não entres tão depressa nessa noite escura. Poema. 6. ed./ 1. ed. ne varietur. Lisboa: Dom Quixote, 2008 [2000].

______. Que farei quando tudo arde?. 3. ed./ 1. ed. ne varietur.Lisboa: Dom Quixote, 2008 [2001].

______. Você. In: ______. Terceiro livro de crónicas. 1. ed. ne varietur. Lisboa: Dom Quixote, 2006.

______. O arquipélago da insónia. 6. ed./ 1. ed. ne varietur. Alfragide: Dom Quixote, 2008 [2008].

______. Que cavalos são aqueles que fazem sombra no mar?. 3. ed./ 1. ed. ne varietur. Alfragide: Dom Quixote, 2009 [2009].

BOURGEOIS, Louise. Destruição do pai, reconstrução do pai. São Paulo: Cosac Naify, 2000.

FRANCO, Marcia Arruda (ed.). Poesias por Francisco de Sá de Miranda. Coimbra: Angelus Novus, 2011.

KAFKA, Franz. Carta ao pai. Trad. João Barrento. Lisboa: Verbo, 2011.

LACAN, Jacques. Nomes-do-Pai. Trad. André Telles. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005.

______. A família. 2. ed. Lisboa: Assírio & Alvim, 1981.

LUÍS, Sara Belo. Que diz Lobo Antunes quando tudo arde?. In: ARNAUT, Ana Paula (ed.). Entrevistas com António Lobo Antunes (1979-2007): confissões do trapeiro. Coimbra: Almedina, 2008, p.363-373.

MARTINS, José V. de Pina. Sá de Miranda, um poeta para o nosso tempo. In: ______. Estudos Portugueses. Homenagem a Luciana Stegagno Picchio. Lisboa: Difel, 1991.

RIMBAUD, Arthur. OEuvres complètes. Texte établi et annoté par Rolland de Renéville et Jules Mouquet. Paris: Gallimard, 1963.

ROSENGARTEN, Ruth. Contrariar, Esmagar, Amar: a Família e o Estado Novo na obra de Paula Rego. Trad. Jorge Pereirinha Pires. Lisboa: Assírio & Alvim, 2009.

ROUDINESCO, Elisabeth. A família em desordem. Trad. André Telles. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003.

SEIXO, Maria Alzira. As flores do inferno e Jardins suspensos. In: ______. Os romances de António Lobo Antunes, vol. II. Alfragide: Dom Quixote, 2010.

TAVARES, Gonçalo M. Atlas do corpo e da imaginação. Alfragide: Editorial Caminho, 2013.

ŽIŽEK, Slavoj. A violência do fantasma. In: ______. A subjectividade por vir. Ensaios críticos sobre a voz obscena. Trad. Carlos Correia Monteiro de Oliveira. Lisboa: RelógioD’Água, 2006b.

______. Bem-vindo ao deserto do real. Trad. Carlos Correia Monteiro de Oliveira. Lisboa: Relógio D’Água, 2006.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Estação Literária
Londrina/ PR
ISSN: 1983-1048
E-mail: estacaoliteraria@uel.br