Limite, literatura, lagosta: A “Crônica” de David Foster Wallace

Patrícia Trindade Nakagome

Resumo


Analisaremos o texto “Pense na lagosta” (2004) do escritor estadunidense David Foster Wallace. Através de uma leitura focada na construção do leitor, mostraremos como, apesar de a crônica não ter tanta representatividade fora do país, é um gênero que pode, por seu caráter híbrido e flexível, dar conta de uma escrita marcada por simplicidade e complexidade. Com olhar atento para um aspecto pontual da realidade, o autor consegue revelar as sombras da contemporaneidade, indicando como os leitores se envolvem nela através de difíceis escolhas morais cotidianas, como sujeitar um ser vivo ao sofrimento apenas para a satisfação sofisticada do paladar.


Palavras-chave


David Foster Wallace; Crônica; Contemporaneidade; Leitor.

Texto completo:

PDF

Referências


ADORNO, Theodor. O ensaio como forma. In: Notas de Literatura I. São Paulo: Editora 34, 2003.

AGAMBEN, Giorgio. O que é o contemporâneo e outros ensaios. Chapecó: Argos, 2009.

ANDRADE, Maria Lúcia da Cunha Victorio de Oliveira. O gênero crônica e a prática escolar. In: Filologia e lingüística portuguesa, no. 6, 2004, p. 267-279.

ARENDT, Hannah. Eichmann em Jerusalém: um relato sobre a banalidade do mal. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

ARRIGUCCI JR., Davi. Fragmentos sobre a crônica. In: Enigma e comentário: ensaio sobre literatura e experiência. São Paulo: Companhia das Letras, 2001, p. 51-66.

ATLAS, Amelia. Grammar and authenticity in Postmodern America. 2008. Disponível em: , acesso em: 06 fev 2013.

BARTHES, Roland. A morte do autor. In: O rumor da língua. São Paulo: Brasiliense, 1988.

BAUMAN, Zygmunt. O mal-estar da pós-modernidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar,1998a.

________. Modernidade e Holocausto. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998b.

CANDIDO, Antonio. A vida ao rés-do-chão. In: ________. A crônica: o gênero, sua fixação e suas transformações no Brasil. Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa, 1992.

CARVALHO, Ana Cecília. A toxidez da escrita como um destino da sublimação em David Foster Wallace. In: Psicologia USP, São Paulo, v. 21, n. 3, Sept. 2010. Disponível em , acesso em 05 fev 2013.

COELHO, Irene da Silva. Hibridismo do gênero crônica: discursividade e autoria em produções do E.F.II, 2009. 263f. Tese (doutorado em Filologia e Língua Portuguesa) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo.

COUTINHO, Afrânio. Ensaio e crônica. In: A literatura no Brasil V.6, São Paulo. Global, 2003, pp. 117-143.

FRANZEN, Jonathan. Twitter está sobrevalorado. 2012. Disponível em:, acesso em 06 fev 2013.

GALERA, Daniel. Prefácio: preste atenção. In: WALLACE, David Foster. Ficando longe do fato de já estar meio que longe de tudo. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

IBAÑEZ, Andres. El temor a ser visto como una vaca. 2001. Disponível em: , acesso em 07 fev 2013.

KOSKI, Lorna. The full Harold Bloom. 2011. Disponível em: , acesso em 06 fev 2013.

McCRUM, Robert. A Cult above the rest. 2005. Disponível em: , acesso em 06 fev 2013.

MISHRA, Pankaj. The postmodern moralist. 2006. Disponível em: , acesso em 06 fev 2013.

NAKAGOME, Patrícia Trindade. O papel do gênero crônica na formação do leitor de ensino médio. In: MODESTO, Artarxerxes T.T.; MIRANDA, Daniela da Silveira; SILVA, Janaina Oliveira; SOUEID, Nanci de Oliveira, VELOSO, Simone Ribeiro de Ávila. O gênero em diferentes abordagens discursivas. São Paulo: Paulistana Editora, 2011.

WALLACE, David Foster. Infinite jest. New York: Back Bay Books, 1996.

________. Consider the lobster. In: Gourmet. 2004. Disponível em: , acesso em 14 jan 2013.

________. Ficando longe do fato de já estar meio que longe de tudo. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Estação Literária
Londrina/ PR
ISSN: 1983-1048
E-mail: estacaoliteraria@uel.br