A crônica constrói a intersubjetividade: Uma leitura fenomenológica de “Homem no mar”, de Rubem Braga

Larissa Leal Neves

Resumo


O artigo apresenta uma leitura da crônica “Homem no Mar”, de Rubem Braga, pautada nos conceitos da fenomenologia merleaupontiana, centrando-se, porém, na noção de intersubjetividade, a qual entendemos que constitui o cerne dessa crônica. Outros conceitos, tais como a temporalidade e a corporeidade, também são abordados na medida em que contribuem para a compreensão daquela. Com esse tipo de análise, buscamos demonstrar como a crônica bragueana de teor lírico apresenta um exercício da percepção e da subjetividade modernas.


Palavras-chave


Fenomenologia francesa; Intersubjetividade; Crônica lírica.

Texto completo:

PDF

Referências


ARRIGUCCI JR, Davi. Enigma e Comentário: ensaios sobre literatura e experiência. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.

BRAGA, Rubem. 200 crônicas escolhidas. Rio de Janeiro: Record, 2005.

COLLOT, Michel. O sujeito lírico fora de si. Tradução: Alberto Pucheu. Revista Terceira Margem. Rio de Janeiro, n.11, p. 165-177, 2004.

COUTINHO, Afrânio. A Literatura no Brasil – vol. V. São Paulo: Global, 1999.

LOPES, Ana Cristina & REIS, Carlos. Dicionário de Narratologia. Coimbra: Almedina, 2007.

MERLEAU- PONTY, Maurice. Fenomenologia da Percepção. Trad. Carlos Alberto Ribeiro de Moura. 2ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

________. Conversas. São Paulo: Martins Fontes, 2004.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Estação Literária
Londrina/ PR
ISSN: 1983-1048
E-mail: estacaoliteraria@uel.br