Factos e cousas nas crônicas da revista mato-grossense A Violeta

Laís Dias Souza da Costa

Resumo


A revista A Violeta surgiu em 1916, em Cuiabá, capital de Mato Grosso, oriunda do Grêmio Literário “Júlia Lopes” e foi uma das revistas mais profícuas do Estado e do Brasil. Circulou de 1916 a 1950, aproximadamente, e configurou-se como um significativo veículo de divulgação sobre causas femininas e feministas. A coluna “Chronica” foi publicada durante os 34 anos em que a revista circulou, e registrou diversos acontecimentos da sociedade cuiabana e mato-grossense que nos auxiliam a compreender muitas facetas da “cousa graúda” – a História.


Palavras-chave


Crônica; Gênero; Imprensa feminina; Revista.

Texto completo:

PDF

Referências


A Violeta. Ano 14, Número 177. Cuiabá de 30 de Abril de 1930. Edição disponível para consulta no arquivo do Instituto Histórico e Geográfico de Mato Grosso (IHGMT).

________. Ano 14, Número 180. Cuiabá, 31 de Julho de 1930. Edição disponível para consulta no arquivo do Instituto Histórico e Geográfico de Mato Grosso (IHG-MT).

________. Ano 16, Número 202. Cuiabá, 25 de Dezembro de 1932. Edição consultada no arquivo particular de Yasmin Nadaf.

________. Ano 17, Número 212. Cuiabá, 25 de Dezembro de 1933. Edição disponível para consulta no arquivo do Instituto Histórico e Geográfico de Mato Grosso (IHGMT).

ALMEIDA, Angela Maria de Oliveira; BERNARDES, Elizabeth Lannes. Subordinação e rebeldia: o papel da mulher na família nuclear moderna. In: Revista de Educação Pública da UFMT, Volume 6, Nº 011, Jan/Jun-1998. Disponível em , acesso em 14 de agosto de 2010.

BEAUVOIR, Simone de. O segundo sexo. Parte I – Fatos e Mitos. São Paulo: Difusão Européia do Livro, 1970.

BICALHO, Maria Fernanda Baptista. O BELL SEXO: imprensa e identidade feminina no Rio de Janeiro em fins do século XIX e início do século XX. In: Rebeldia e submissão: estudos sobre a condição feminina. COSTA, Albertina de Oliveira; BRUSCHINI, Cristina (orgs). São Paulo: Vértice, Editora Revista dos Tribunais: Fundação Carlos Chagas, 1989.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2011.

BUITONI, Dulcília Schroeder. Imprensa feminina. São Paulo: Ática, 1990.

CARVALHO, Kátia de. A imprensa feminina no Rio de Janeiro, nos anos 20: um sistema de informação cultural. In: Ciência da Informação – Volume 24, número 1, 1995.

CHALHOUB, Sidney. A arte de alinhavar histórias. In: CHALHOUB, Sidney et al.(org). História em cousas miúdas. Capítulos de história social da crônica no Brasil. Campinas: Editora Unicamp, 2005.

COLLIN, Françoise. Diferença dos sexos (teorias da). In: HIRATA, Hélène et al. (org). Dicionário crítico do feminismo. São Paulo: Editora Unesp, 2009, p. 59-66.

HAHNER, June E. Mulheres brasileiras e suas lutas sociais e políticas: 1850-1937. São Paulo: Editora Brasiliense, 1981.

MARQUES, Ana Maria. O feminismo nas narrativas de mulheres da revista A Violeta - Cuiabá: 1916-1950. In: Revista Territórios e Fronteiras, v. 4, n. 1, jan-jul/2011.

NADAF, Yasmin Jamil. Sob o signo de uma flor. Rio de Janeiro: Sette Letras, 1993.

PEDRO, Joana Maria. Relações de gênero como categoria transversal na historiografia contemporânea. In: Topoi, v. 12, n. 22, jan-jun/2011, p. 270-283.

PÓVOAS, Lenine Campos. Historia da Cultura matogrossense. Cuiabá, 1982.

RAGO, Margareth. Adeus ao Feminismo? Feminismo e (pós) modernidade no Brasil. In: Cadernos AEL, n. 3/4, p. 12-43, 1995/1996.

SÁ, Jorge de. A crônica. São Paulo: Ática, 1985.

SCOTT, Joan W. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. In: Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 20, n. 2, jul/dez, 1995.

SIQUEIRA, Elizabeth Madureira. História de Mato Grosso: da ancestralidade aos dias atuais. Cuiabá: Entrelinhas, 2002.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Estação Literária
Londrina/ PR
ISSN: 1983-1048
E-mail: estacaoliteraria@uel.br