A crônica e suas molduras, um estudo genológico

Caroline Valada Becker

Resumo


Por um lado, uma escrita concisa cuja fruição é dinâmica; por outro lado, uma conceituação múltipla e complexa – eis a crônica, uma miscelânea de tendências e de características. Podemos lê-la em jornais e revistas – os periódicos – ou em livros, quando compiladas. Objetivando investigar esse complexo gênero, o presente artigo propõe uma reflexão sobre a categoria voz, analisando de que maneira autor empírico e autor textual confundem-se na construção da crônica.


Palavras-chave


Crônica; Voz; Autor textual; Autor empírico.

Texto completo:

PDF

Referências


ARRIGUCCI JR, Davi. Fragmentos sobre a crônica. In: ________. Enigma e comentário: ensaios sobre literatura e experiência. São Paulo: Companhia das Letras, 1987, p. 51-66.

BAKHTIN, Mikhail. Os gêneros do discurso. In: ________. Estética da criação verbal. 6ª edição. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2011.

BARTHES, Roland. A morte do autor. In: ________. O rumor da língua. São Paulo: Brasiliense, 1988, p. 64-70.

BENVENISTE, Émile. Da subjetividade na linguagem. In: ________. Problemas de linguística geral I. São Paulo: Pontes, 1995.

CANDIDO, Antonio. A vida ao rés-do-chão. In: ________ (Org.). A crônica: o gênero, sua fixação e suas transformações no Brasil. São Paulo: Editora daUNICAMP; Rio de Janeiro: Fundação Casa Rui Barbosa, 1992, p. 13-22.

COUTINHO, Afrânio. Ensaio e crônica. In: ________ (Direção); codireção

Eduardo de Faria Coutinho. A literatura no Brasil – vol. 6. São Paulo: Global, 1994, p. 117-143.

________. Notas de Teoria Literária. Rio de Janeiro: Vozes, 2008.

COMPAGNON, Antoine. O demônio da teoria: literatura e senso comum. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 1999.

ECO, Umberto. Lector in fabula. São Paulo: Perspectiva, 1986.

________. Seis passeios pelos bosques da ficção. São Paulo: Companhia das Letras, 1994.

EAGLETON, Terry. Teoria da literatura: uma introdução. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

FOUCAULT, Michel. O que é um autor. Lisboa: Vega, 2006.

GENETTE, Gerárd. Discurso da narrativa. Tradução: Fernando Cabral Martins. Lisboa: Vega, s/d.

KIEFER, Charles. É conto ou crônica? In: ________. Para ser escritor. São Paulo: Leya, 2010, p. 68-72.

LIMA, Luiz Costa. A questão dos gêneros. In: ________. Teoria da literatura em suas fontes – vol. 1. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002.

LEJEUNE, Philippe. O pacto autobiográfico – de Rousseau à internet. Belo Horizonte: UFMG, 2008.

LOPES, Paula Cristina. A crónica (nos jornais): O que foi? O que é? In: Biblioteca online

de ciências da comunicação. Disponível em:

, acesso em: 06 nov. 2005.

MAINGUENEAU, Dominique. O contexto da obra literária. São Paulo: Martins Fontes, 1995.

MEYER, Marlyse. Voláteis e versáteis. De variedades e folhetins se fez a chronica. In: CANDIDO, Antonio (Org.). A crônica: o gênero, sua fixação e suas transformações no Brasil. São Paulo: Editora da UNICAMP; Rio de Janeiro: Fundação Casa Rui Barbosa, 1992, p. 93-134.

MOISÉS, Massaud. A criação literária. São Paulo: Cultrix, 2006.

MORAES, Vinicius de. Vinicius de Moraes: poesia completa e prosa: volume único/ Organização: Eucanaã Ferras. 4ª edição. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2004.

REIS, Carlos; LOPES Ana Cristina. Dicionário de Narratologia. Coimbra: Almedina, 2011.

REUTER, Yves. A análise da narrativa: o texto, a ficção e a narração. Rio de Janeiro: DIFEL, 2002.

SANTOS, Luis Alberto Brandão; OLIVEIRA, Silvana Pessôa de. Sujeito, tempo e espaço ficcionais. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

VALENCY, Gisèle. A crítica textual. In: BERGEZ, D. et al. Métodos críticos para a análise literária. São

Paulo: Martins Fontes, 2006.

SÁ, Jorge. A crônica. São Paulo: Ática, 2008.

SILVA, Vitor Manuel de Aguiar e. A comunicação literária. In: Teoria da literatura, volume 1. 5ª edição. Coimbra: Almadina, 1983.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Estação Literária
Londrina/ PR
ISSN: 1983-1048
E-mail: estacaoliteraria@uel.br