A MASSA NA LITERATURA: A RECEPÇÃO CRÍTICA DE HARRY POTTER / THE MASSE IN LITERATURE: CRITICISM RECEPETION OF HARRY POTTER

Patrícia Trindade Nakagome, Beatriz Masson Francisco

Resumo


À luz do debate sobre rotulação e valor, discutiremos a recepção crítica jornalística de um <i>best-seller</i>. Como objeto de análise, escolhemos os livros <i>Harry Potter</i>, que venderam milhões de cópias ao redor do mundo, tornando-se alvo de culto para seus leitores. Em contraposição a essa recepção entusiasmada do público, a crítica, muitas vezes, ataca a série, recorrendo, frequentemente, a sua alta vendagem como parâmetro crítico, com superficiais considerações estéticas sobre as obras. Mostraremos como não apenas os livros <i>Harry Potter</i>, mas também seus leitores são desvalorizados pela crítica, que sustenta pilares mais estreitos e sacralizados acerca do literário.

In the light of the debate about lettering and value, we are going to discuss a best-seller’s journalistic-criticism reception. As the object of analysis, we chose <i>Harry Potter</i> books, that sold millions of copies all over the world and became a kind of worship target to the readers. As a contraposition to this enthusiastic reception, the critics usually recurs, as a critical parameter, to the high numbers of selling that the books has in spite of its aesthetics aspects. We are going to show that not only the books are devalued by the critics, but also <i>Harry Potter’s</i> readers – something that sustains stricter and sacred walls around Literature.


Palavras-chave


literatura de massa; crítica literária; best-seller; <i>Harry Potter.</i> / masse literature; literary criticism; best-seller; <i>Harry Potter.</i>

Texto completo:

PDF

Referências


ABRAMO, Bia. Das diferenças entre ler e ver televisão. In: Folha de São Paulo, 03/07/2005. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/ilustrad/fq0307200525.htm, acesso em

/03/2014.

BLOOM, Harold. Gênio: os 100 autores mais criativos da história da literatura. Rio de Janeiro: Objetiva, 2003.

________. Stories and Poems for Extremelly Intelligent Children of All Ages. New York: Scribner, 2001.

________. Dumbing down American readers. Disponível em:

http://www.boston.com/news/globe/editorial_opinion/oped/articles/2003/09/24/dumbing_down_american_readers/, acesso em 05/02/2014.

BOSCOV, Isabela. Agora acabou. In: Revista Veja. Número 2019, 1º de agosto de 2007, pp. 134/135.

CANCLINI, Néstor García. Culturas Híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade. São Paulo: EDUSP, 2000.

COELHO, Nelly Novaes. O fenômeno Harry Potter e o nosso tempo em mutação. Disponível em:http://www.hildahilst.com.br.cpweb0022.servidorwebfacil.com/separata.php?categoria=10&search=o%20fen%F4meno%20harry%20potter%20e%20o%20nosso%20tempo%20em%20muta%E7%E3o&pagina=&id=31, acesso em 01/03/14.

EAGLETON, Terry. Literary Theory: An Introduction. Cambridge, Blackwell, 1983.

HATOUM, Milton. Livros de verão e literatura de verdade. In: O Estado de São Paulo. 04/01/2013. Disponível em: http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,livrosde-verao-e-literatura-de-verdade-,980457,0.htm, acesso em 05/03/14.

KING, Stephen. Diversão vibrante e alto-astral. In: Folha de São Paulo. 27/08/2000. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/mais/fs2708200013.htm, acesso em 05/03/2014.

MANGUEL, Alberto. No bosque do espelho.. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

ROWLING, J.K. Harry Potter e o cálice de fogo. Rio de Janeiro: Rocco, 2000.

SILVA, Gisela Cristina Ribeiro. O best-seller na revalorização de sentidos: "Harry Potter" e o tema da criança imaginal. Cadernos CEDES. 2012, vol. 32, n. 86, pp. 31-44.

WATT, Ian. The Rise of the Novel. Los Angeles: University of California Press, 1957.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Estação Literária
Londrina/ PR
ISSN: 1983-1048
E-mail: estacaoliteraria@uel.br