AS SOMBRAS DAS LUZES E OS PECADOS DA ESCOLÁSTICA / SHADOWS OF LIGHTS AND THE SINS OF SCHOLASTIC

Patrícia Regina de Morais Bertolucci Cardoso, Marcela Verônica da Silva, Carlos Eduardo Mendes de Moraes

Resumo


Ao confrontarmos as ações políticas praticadas nos reinados de Dom João V, na primeira metade do século XVIII e de Dom José I (assessorado pelo Marquês de Pombal) no terceiro quartel do mesmo século, observa-se o processo de transição de uma visão política e administrativa cujos envolvidos demonstravam uma formação escolástica, no primeiro reinado, para um viés econômico-científico, refletindo uma tomada de posição em direção às luzes. Três narrativas foram escolhidas para ilustrar este momento demonstram esse movimento: <i>O Caramuru</i>, de posição conservadora, <i>O Uraguai</i> e <i>O Desertor</i>, assume posição em favor das luzes.

When we compare the policy actions taken in the reigns of Dom João V in the first half of the eighteenth century and Dom José I (assisted by Marquês de Pombal) in the third quarter of the same century, we can observe the transition from scholastic, first reign vision gradually paths to an economic -scientific bias, reflecting a position toward the lights. Three narratives were chosen demonstrate this movement by the relations established between them: <i>O Caramuru</i>, the conservative position, and <i>O Uraguai</i> and <i>O Desertor</i>, takes position in favor of Lights.


Palavras-chave


escolástica; luzes; Marquês de Pombal. / scholastic; lights; Marquês de Pombal.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVARENGA, Manoel Inácio da Silva. O Desertor: poema herói-cômico. Campinas, São Paulo: Editora da Unicamp, 2003.

CHAVES, Vânia Pinheiro. O Uraguai e a fundação da literatura brasileira. Campinas: Unicamp, 1997.

COSTA, Rafael Magno de Paula. Presença de Sacralidade na Literatura. In: Revista Estação Literária, v. 8, parte B, pp. 48-57, dez. 2011.

D’ONOFRIO, Salvatore. Literatura Ocidental. São Paulo: Ática, 2004.

ELIADE, Mircea. O sagrado e o profano. Trad. Rogério Fernandes. 5 ed. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

________. Tratado de história das religiões. Trad. Fernando Tomaz e Natália Nunes. 3 ed. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

FRANCA, Gonçalo Soares da. Se os Índios do Brasil tinham alguma Lei, como e quando a ele passou a Católica Romana. In: CASTELLO, José Aderaldo. O movimento academicista no Brasil. 1641-1820/22. São Paulo: Secretaria de Estado da Cultura, Esportes e Turismo, 1969-1971, 3v., 14 t.

GAMA, José Basílio. O Uraguai. Disponível em: http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/bn00094a.pdf, acesso em 24 de mar. 2014.

GODINHO, Vitorino Magalhães. A estrutura da Antiga Sociedade Portuguesa. 4. Ed. Lisboa: Arcádia, 1971.

LOPES, Hélio. Introdução ao poema Vila Rica. Juiz de Fora: Esdeva Empresa Gráfica, 1985.

RIBEIRO, João. Obras Poéticas de Cláudio Manoel da Costa. Rio de Janeiro: H. Garnier, 1903.

SERRÃO, J. Cronologia geral da história de Portugal. 3 Ed. Lisboa: Iniciativas Editoriais, 1977.

SILVA, Anazildo Vasconcelos da. Formação épica da literatura brasileira. Rio de Janeiro: Elo, 1987.

TEIXEIRA, Ivan. Mecenato pombalino e poesia neoclássica. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1999.

________. Sátira, ficção histórica e alegoria política em O Uraguai. Disponível em: people.cohums.ohio-state.edu/costigan2/nehbrazil07/.../uraguai.doc, acesso em

de mar. 2014.

VILLALTA, Luiz Carlos. Reformismo Ilustrado, Censura e Práticas de Leitura: Uso do Livro na América Portuguesa. São Paulo, (Tese de Doutoramento), 1999.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Estação Literária
Londrina/ PR
ISSN: 1983-1048
E-mail: estacaoliteraria@uel.br