“Á MULLER BAILAR E Ó BURRO ORNEAR, O DIAÑO DEBEULLO ENSIÑAR”: LEITURAS SOBRE AS BRUXAS E AS PROJEÇÕES DO “FEMININO PROFANO” NA LITERATURA FANTÁSTICA OCIDENTAL / “Á MULLER BAILAR E Ó BURRO ORNEAR, O DIAÑO DEBEULLO ENSIÑAR”: READINGS ABOUT THE WITCHE

Francisco de Souza Gonçalves, José Carlos de Lima Neto

Resumo


Bruxa: mulher subversiva, que representa a profanação máxima do <i>Sacrum Christianum</i>; figura conhecida, vinda do infatigável “recontar” de narrativas ancestrais. O trabalho se propõe a descrever este indistinto topos, investigando e analisando a “fisiologia” desta personagem,“(re)lendo-a”, na tenção de traçar uma “anatomia” desta, que gera pavor e fascínio. As obras de corpora de análise comparativa são: <i>A Demanda do Santo Graal</i> (século XIII) e <i>As bruxas de Eastwick</i>, de John Updike (século XX). Propomos, como “mediador de leitura”, um dos mais notórios manuais inquisitoriais já escritos, o <i>Malleus Malleficarum</i> (século XV), de Heinrich Kraemer e James Sprenger.

Witch: subversive woman, who represents the maximum profanation of the <i>Sacrum Christianum</i>; known figure, coming from the tireless “retelling” of ancestral narratives. This work aims at describing that indistinct topos, investigating and analyzing the “physiology” of such character, “re-reading it”, in the intention to trace an “anatomy” of the witch, that generates terror and allure. The corpora for the comparative analysis are: <i>A Demanda do Santo Graal</i> (13th century) and <i>The witches of Eastwick</i>, by John Updike (20th century). We consider, as a “mediator of reading”, one of the most well-known inquisitional manuals already written, the <i>Malleus Malleficarum</i> (15th century), by Heinrich Kraemer and James Sprenger.


Palavras-chave


literatura; gênero; feminino; bruxaria. / literature; gender; women; witchcraft.

Texto completo:

PDF

Referências


A DEMANDA DO SANTO GRAAL. Lisboa: INCM, 2005.

AGOSTINHO, Santo. A Doutrina Cristã. São Paulo: Edições Paulinas, 1991.

ARNOULD, Colette. Histoire de la sorcellerie. Paris: Tallandier, 1992.

BARROS, Mª Nazareth A. As deusas, as bruxas e a Igreja: Séculos de perseguição. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 2001.

BERMAN, Marshall. Tudo o que é sólido desmancha no ar. Trad. Carlos F. Moisés e Ana Maria L. Ioriatti. São Paulo: Cia das Letras, 1986.

BÍBLIA DE JERUSALÉM. São Paulo: Paulus, 2008.

BORGES, Jorge Luis. El narrativo y la magia. Biblioteca Virtual Miguel de Cervantes/ Biblioteca Virtual Universal. Disponível em: www.biblioteca.org.ar, 2006.

BOUZAS, Pemón; DOMELO, Xosé A. Mitos, ritos y leyendas de Galicia. Madrid: MR, 2010.

BRAVO, Victor. Los poderes de la ficción. Venezuela: Monte Ávila, 1997.

CHIVITE, Xesús Taboada. Cadernos de Fraseoloxía Galega 2: Refraneiro Galego. Santiago de Compostela: Xunta de Galicia, 2000.

EISLER, Riane. O prazer sagrado: sexo, mito e política do corpo. Trad. Ana Luiza Dantas Borges. São Paulo: Rocco, 1996.

FRANCO JR., Hilário. A Idade Média: Nascimento do Ocidente. São Paulo: Brasiliense, 2006.

GREEN, Miranda. El mundo de los druidas. Madrid: Akal, 2010.

KRISTEVA, Julia; CLÉMENT, Catherine. O Feminino e o Sagrado. Trad. Rachel Gutiérrez. Rio de Janeiro: Rocco, 2001.

LE GOFF, Jacques. O Maravilhoso e o Quotidiano no Ocidente Medieval. Lisboa: Edições 70, 1990.

________. As raízes medievais da Europa. Trad. Jaime A. Clasen Petrópolis: Vozes, 2010.

MALEVAL, Maria do Amparo T. Representações diabolizadas da Mulher em Textos Medievais. In: DAVID, Sérgio Nazar (org). As mulheres são o diabo. Rio de Janeiro: Eduerj, 2004.

MURARO, Rose Marie. Textos da fogueira. Brasília: Letra Viva, 2000.

________. Um mundo novo em gestação. Campinas: Verus, 2003.

NOGUEIRA, Carlos. Bruxaria e História. Bauru: EDUSC, 2004.

SANTOS, Luiz Felipe. A Mulher como representação do Bem e do Mal n’ A Demanda do Santo Graal e n’A Divina Comédia. Dissertação (Mestrado em Literatura Portuguesa) – Faculdade de Letras, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 2007.

SPRENGER, James; KRAMER, Heinrich. Malleus Maleficarum – O Martelo das Bruxas. 7 ed. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 1991.

THÉBAUD, Françoise. A Grande Guerra: o triunfo da divisão sexual. In: DUBY, Georges; THÉBAUD, Françoise; PERROT, Michelle (org/dir). História das Mulheres no Ocidente – vol. 5/ O Século XX. Porto: Afrontamento, 1995.

UPDIKE, John. As Bruxas de Eastwick. Trad. Fernanda Abreu. São Paulo: Cia das Letras, 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Estação Literária
Londrina/ PR
ISSN: 1983-1048
E-mail: estacaoliteraria@uel.br