O MITO DO ETERNO RETORNO NO CONTO “ARROIO DAS ANTAS” DE JOÃO GUIMARÃES ROSA / THE MYTH OF THE ETERNAL RETURN IN THE SHORT STORY “ARROIO DAS ANTAS” BY JOÃO GUIMARÃES ROSA

Antônia Marly Moura da Silva

Resumo


Este trabalho procura discutir alguns aspectos do mito do eterno retorno indiciado no conto “Arroio das Antas”, integrante de <i>Tutaméia: terceiras estórias</i> (1967) de João Guimarães Rosa. No conto, a conotação simbólica revelada pelas imagens recorrentes na caracterização da personagem feminina, focaliza aspectos que evidenciam o papel da mulher associado à Cosmogonia e ao sentido de retorno às origens.

This work aims at discussing some aspects on the myth of the eternal return in the short story “Arroio das Antas”, part of <i>Tutaméia: terceiras estórias</i> (1967), by João Guimarães Rosa. In the short story, the symbolic connotation is revealed through recurrent images in the construction of the feminine character, and focus on aspects that show the role of the woman associated to a Cosmogony and the sense of return to the origins.


Palavras-chave


João Guimarães Rosa; “Arroio das Antas”; mito; personagem. / João Guimarães Rosa; “Arroio das Antas”; myth; character.

Texto completo:

PDF

Referências


BRUNEL, Pierre. Dicionário de mitos literários. 2 ed. Trad. Carlos Sussekind et al. Rio de Janeiro: José Olympio, 1997.

CARVALHO, Silvia Maria Schmuziger. “O trickster” como personificação de uma práxis. In: Perspectiva, São Paulo, n. 8, 1985, pp. 177-187.

CASSIRER, Ernest. Linguagem e mito. 3 ed. Trad. J. Guinsburg e Miriam Schnaiderman. São Paulo: Perspectiva, 1992.

CHEVALIER, Jean; GHEERBRANT, Alain. Dicionário de Símbolos: mitos, sonhos, costumes, gestos, formas, figuras, cores, números. 6 ed. Trad. Vera da Costa e Silva et al. Rio de Janeiro: José Olympio, 1992.

ELIADE, Mircea. Imagens e símbolos. Trad. Sonia Cristina Tamer. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

________. Mito do eterno retorno. Trad. J. A. Ceschin. São Paulo: Mercuryo, 1992.

________. Mito e realidade. 6 ed. Trad. Pola Civelli. São Paulo: Perspectiva, 2007.

FREUD, Sigmund. Totem e tabu. Trad. Órizon Carneiro Muniz. Rio de Janeiro: Imago, 1999.

GRIMAL, Pierre. O amor em Roma. Trad. Hildegard Fernanda Feist. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

GUÉRIOS, Rosário Farâni Mansur. Tabus lingüísticos. 2 ed. São Paulo: Nacional/ Curitiba: Ed. da Universidade Federal do Paraná, 1979.

________. Dicionário de Nomes. São Paulo: Arte Maria, 1981.

MIELIETINSKY, Eleazar Mosséievitch. A poética do mito. Rio de Janeiro: Forense, 1987.

PASSOS, Cleusa Rios Pinheiros. Guimarães Rosa: do feminino e suas histórias. São Paulo: Hucitec/FAPESP, 2000.

PLATÃO. Crátilo: diálogo sobre a justeza dos nomes. Lisboa: Sá da Costa, 1963.

ROSA, João Guimarães. Tutaméia: terceiras Estórias. 5 ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1979.

SANT’ANNA, Affonso Romano de. O canibalismo amoroso: o desejo e a interdição em nossa cultura através da poesia. São Paulo: Brasiliense, 1984.

SANTOS, Wendel. A construção do romance em Guimarães Rosa. São Paulo: Ática, 1978.

SIMÕES, Irene Gilberto. Guimarães Rosa: as paragens mágicas. São Paulo: Perspectiva, s/d.

VERNANT, Jean-Pierre. Mito e pensamento entre os gregos: estudos de psicologia histórica. Trad. Haiganuch Sarian. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1990.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Estação Literária
Londrina/ PR
ISSN: 1983-1048
E-mail: estacaoliteraria@uel.br