A POÉTICA PROFANADA DE WALDO MOTTA / THE PROFANED POETICS OF WALDO MOTTA

Ricardo Alves dos Santos

Resumo


Neste texto, pretendemos fazer algumas considerações sobre o projeto literário “erotismo sagrado” do poeta capixaba Waldo Motta. A condição de homossexual, de pobreza e de discriminação do autor torna-se a matéria para edificação de sua doutrina lírica, em que o elemento sagrado, a poesia, transforma-se no espaço do profano homoafetivo, promovendo, assim, uma “elevação” da homossexualidade a partir do poético e da poesia. 

In this text, we intend to indicate some aspects about the “sacred erotism” in the literary project of the poet Waldo Motta. His life conditions of homossexuality, poverty and discrimination are reflected in his lyric doctrine, in wich the sacred element, the poetry, becomes the space of the homossexual profanation, fact that “raises” that sexual orientation from the poetics and the poetry. 


Palavras-chave


sagrado; profano; homossexualidade; Waldo Motta / sacred; profane; homossexuality; Waldo Motta.

Texto completo:

PDF

Referências


AGAMBEN, Giorgio. O que é o contemporâneo e outros textos. Chapecó, SC: Argos 2010.

AMÂNCIO, Moacir. Yona e o Andrógino: Notas sobre Poesia e Cabala. São Paulo: Nankin: Edusp, 2010.

ANDRADE, Fábio de Souza. Gozo Místico. Jornal Folha de S. Paulo, São Paulo, 07/09/1997, Caderno Mais!, p. 13.

ANTELO, Raul. Não mais, nada mais, nunca mais. Poesia e tradição moderna. In: PEDROSA, Celia (Org.). Poesia hoje. Niterói: Editora da UFF, 1998. Coleção Ensaios, 13. v. 1, p. 27-45.

ARSMSTRONG, Karen. Uma história de Deus: quatro milênios do judaísmo, cristianismo e islamismo. Tradução: Marcos Santarrita; revisão da tradução: Hildegard Feist, Wladimir Araújo. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

________. Em defesa de Deus: o que a religião realmente significa. Tradução: Hildegard Feist. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

BRANDÃO, Junito de Souza. Mitologia Grega. Petrópolis: Vozes, 1987. (Vol. II)

CAMPBELL, Joseph. O poder do mito, com Bill Moyers. Org.: Betty Sue Flowers; tradução: Carlos Felipe Moisés. São Paulo: Palas Athena, 1990.

DUBOIS, J. e col. Dicionário de linguística (trad.). São Paulo: Ed. Cultrix, 2001.

ELIADE, Mircea. Imagens e símbolos: ensaio sobre o simbolismo mágico-religioso. Tradução: Sônia Cristina Tamer. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

________. Mito do eterno retorno. Tradução: José A. Ceschin. São Paulo: Mercuryo, 1992.

________.O sagrado e o profano: a essência das religiões. Tradução: Rogério Fernandes. 3 ed. São Paulo: Editora VMF Martins Fontes, 2010.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade I: A vontade de saber. Tradução: Maria Thereza da Costa Albuquerque e J. A. Guilhon Albuquerque. Rio de Janeiro, Edições Graal, 1988.

JULIEN, Philippe. A psicanálise e o religioso: Freud, Jung e Lacan. Rio de Janeiro: Zahar, 2010.

JUNG, Carl Gustav. O eu e o inconsciente. In Obras completas de C. G. Jung (Vol.VII/2). Tradução: Pe. Dom Matheus de Ramalho Rocha; revisão técnica de Dora Ferreira da Silva. Petrópolis: Vozes, 2002.

________. Psicologia e religião. In: Obras completas de C. G. Jung (Vol. 11/1). Tradução: Pe. Dom Matheus de Ramalho Rocha; revisão técnica de Dora Ferreira da Silva. 9 ed. Petrópolis: Vozes, 2011.

MOTTA, Waldo. Bundo e outros poemas. Campinas, SP: Editora UNICAMP, 1996.

________. Enrabando o capetinha ou o dia em que Eros se fodeu. In: PEDROSA, Célia. Mais poesia hoje. Rio de Janeiro: 7Letras, 2000, p. 59-76.

NETO, Miguel Sanches (1997). Poesia e as subculturas do gosto. Gazeta do povo, Curitiba, PR, 10/03/97, In: http://www.jornaldepoesia.jor.br/msanches13.html, Acesso em 10/11/2011.

PAZ, Octavio. Signos em rotação. São Paulo: Perspectiva, 2006.

PLATÃO. O banquete. In: Diálogos. Tradução: José Cavalcante de Sousa. São Paulo: Abril Cultural, 1972. (Os pensadores, vol. I).

ROSA, Carlos. Numerologia cabalística: A última fronteira. São Paulo: Madras, 2011.

SIMON, Iumna Maria. Revelação e desencanto: a poesia de Waldo Motta. In: Revista Novos estudos, nº 70, 2004.

SISCAR, Marcos. Poesia e crise: ensaios sobre a “crise da poesia” como topos da modernidade. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2010.

VAINFAS, Ronaldo. O nefando e a colônia. In: ________. Trópico dos pecados: moral, sexualidade e inquisição no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Estação Literária
Londrina/ PR
ISSN: 1983-1048
E-mail: estacaoliteraria@uel.br