Lúcio Cardoso e o universo marginal das cidades

Odirlei Costa do Santos

Resumo


O presente estudo busca engendrar o deslinde dos artifícios da provocação face às novelas urbanas de Lúcio Cardoso (1912-1968). Por Inácio (1944) e O enfeitiçado (1954), podemos perscrutar como a tessitura literária ontológica explorada por Lúcio atende fundamentalmente ao ideário marginal do escritor mineiro. Procuramos enfatizar como o autor explorou diversos estratagemas literários para adensar a escrita de mal-estar e perturbação, a tornar a provocação o mote primordial de seu virtuosismo literário transgressor.

 


Palavras-chave


Lúcio Cardoso; Novela; Provocação; Transgressão.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Teresa de. A metrópole expressionista. Cult, São Paulo, n.14, p. 54-59, set.1998.

BATAILLE, Georges. O erotismo. Tradução: Antônio Carlos Viana. Porto Alegre: L&PM, 1987.

CARDOSO, Lúcio. Diário completo. Rio de Janeiro: José Olympio Editora, 1970.

________. Crônica da casa assassinada. Edição crítica coordenada por Mario Carelli. São Paulo: Scipione Cultural, 1997.

________. Inácio, O enfeitiçado e Baltazar. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002.

CARDOSO, Maria Helena. Vida-vida. Rio de Janeiro: José Olympio Editora, 1973.

CARELLI, Mario. Corcel de fogo: vida e obra de Lúcio Cardoso (1912–1968). Tradução: Júlio Castañon Guimarães. Rio de Janeiro: Guanabara, 1988.

GENET, Jean. Diário de um ladrão. Tradução: Jacqueline Laurence e Roberto Lacerda. Rio de Janeiro: Rio Gráfica, 1986.

NIETZSCHE, Friedrich. Genealogia da moral: uma polêmica. Tradução: Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das letras, 2006.

VIGNOLES, Patrick. A perversidade. Tradução: Nícia Adan Bonatti. São Paulo: Papirus, 1991.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Estação Literária
Londrina/ PR
ISSN: 1983-1048
E-mail: estacaoliteraria@uel.br