“Visão da morte”: O lirismo noturno de Cruz e Sousa

Rita de Cássia Silva Dionísio Santos

Resumo


Na literatura, ao longo dos séculos, escritores como Lord Byron, Marquês de Sade, Lautréamont e Charles Baudelaire têm, às vezes de forma desesperada, tematizado o mal em suas obras – as quais são assinaladas por temas que se associam à transgressão, a experiências de loucura, morte, vícios e violência. No que diz respeito ao escritor brasileiro Cruz e Sousa, nota-se uma escrita assinalada por um considerável erotismo escandaloso, um certo satanismo e uma tendência blasfematória baudelairianas. Seu poema “Visão da morte” apresenta um aspecto noturno do Simbolismo – fenômeno que apontaria para o sentimento de inadequação do poeta à sua contemporaneidade – elementos que este artigo analisará. 


Palavras-chave


Cruz e Sousa; Mal; Morte; Inadequação; Cruz e Sousa.

Texto completo:

PDF

Referências


AGAMBEN, Giorgio. O que é contemporâneo? e outros ensaios. Tradução: Vinicius Nicastro Honesko. Chapecó: Editora da Unochapecó, 2009.

ARIÈS, Philippe. Sobre a História da morte no Ocidente: desde a Idade Média. Tradução: Pedro Jordão. 2 ed. Lisboa: Editorial Teorema, Lda., 1989.

BALAKIAN, Anna. O Simbolismo. São Paulo: Perspectiva, 1985.

BASTIDE, Roger. Estudos afro-brasileiros. São Paulo: Perspectiva, 1973.

BAUDRILLARD, Jean. A transparência do Mal: ensaios sobre os fenômenos extremos. Tradução: Estela dos Santos Abreu. Campinas: Papirus, 1990.

CADERMATORI, Lígia. Períodos Literários. 6 ed. São Paulo: Ática, 1993.

CUNHA, Celso; CINTRA, Lidley. Nova Gramática do Português Contemporâneo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985.

DÉCAUDIN, Michel. Definir la décadenceParis: Colloque de Nantes, 1976.

DIONÍSIO, Rita de Cássia Silva de. “Duas imagens enigmáticas”: morte e vida como dimensões intercambiáveis em Franz Kafka, Murilo Rubião e Modesto Carone. In: OLIVA, Osmar Pereira (org). Minas e o Modernismo. Montes Claros, MG: Unimontes, 2012, p. 213-231.

LAUTRÉAMONT, Conde de. Os cantos de Maldoror: poesia: cartas: obra completa. Tradução: Claudio Willer. 2 ed. São Paulo: Iluminuras, 2005.

MORAES, Eliane Robert. Lições de Sade: ensaios sobre a imaginação libertina. São Paulo: Iluminuras, 2006.

PEIXOTO, Sérgio Alves. A consciência criadora na poesia brasileira: do Barroco ao Simbolismo. São Paulo: Annablume, 1999.

PEREIRA, José Carlos Seabra. Decadentismo e Simbolismo na poesia portuguesa. Coimbra: Coimbra, 1975.

PEYRE, Henri. A literatura simbolista. São Paulo: Cultrix, 1983.

SADE, Marquês de. A filosofia na alcova. São Paulo: Iluminuras, 2003.

SANTO AGOSTINHO. Confissões. 17 ed. Tradução: J. Oliveira Santos; A. Ambrósio de Pina. Petrópolis: Vozes, 2001.

SOUSA, Cruz e. Broquéis; Faróis. São Paulo: Martin Claret, 2002.

WILLER, Claudio. O astro negro. In: LAUTRÉAMONT, Conde de. Os cantos de Maldoror: poesia: cartas: obra completa. Tradução: Claudio Willer. 2 ed. São Paulo: Iluminuras, 2005, p. 13-69.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Estação Literária
Londrina/ PR
ISSN: 1983-1048
E-mail: estacaoliteraria@uel.br