Fêmeas demoníacas: As mulheres na poesia simbolista/decadentista

Rinaldo José de Andrade Brandão

Resumo


O artigo apresenta um breve estudo da representação feminina da virilidade, través dos traços constitutivos de algumas personagens da poesia simbolista/decadentista francesa. Os poemas de Baudelaire ou Mallarmé analisados enunciam problemas e conflitos que brotam do próprio fazer poético. Assim, temas como os da inadequação e da esterilidade situam-se dentro de um quadro labiríntico de indagações sobre a criação artística. A imagem da mulher possessa, cuja sensibilidade se choca com a mediocridade da existência, está em conformidade com o estado de espírito de um “eu poético” ambíguo e moderno, por isso mesmo à margem dos modelos estéticos e sociais vigentes.


Palavras-chave


Poesia; Simbolismo; Mulher.

Texto completo:

PDF

Referências


BARBOSA, João Alexandre. As Ilusões da Modernidade: notas sobre a historicidade da lírica moderna. São Paulo: Perspectiva, 1986.

BAUDELAIRE, Charles. As Flores do Mal. Edição bilíngue. Trad. Ivan Junqueira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985.

_______. Sobre a Modernidade. Trad. Teixeira Coelho

. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996.

BENJAMIN, Walter. A Modernidade e os Modernos. Trad. Heindrun Krieger Mendes da Silva, Arlete de Brito e Tania Jatobá. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1975.

FLAUBERT, Gustave. Herodíade. In: Três Contos. Tradução e posfácio Milton Hatoum e Samuel Titan Jr. São Paulo: Cosac Naify, 2011, p. 95.

LLOSA, Mário Vargas. A Orgia Perpétua. Flaubert e “Madame Bovary”. Trad. Remy Gorga Filho. Rio de Janeiro; Francisco Alves, 1979.

MALLARMÉ, Stéphane. Hérodiade. In: Mallarmé et le Symbolisme. Avec notice biographique, historique et littéraire par Henry Nicolas. Paris: Librairie Larousse, 1972.

NICOLAS, Henry. Les Années de Théâtre des Profondeurs. In: MALLARMÉ, Séphane. Mallarmé et le Symbolisme. Avec notice biographique, historique et littéraire par Henry Nicolas. Paris: Librairie Larousse, 1972.

PAGLIA, Camille. Personas Sexuais. Arte e Decadência de Nefertite a Emily Dickinson. Trad. Marcos Santarrita. São Paulo: Companhia das Letras, 1922.

VALÉRY, Paul. Variedades. Trad. Maiza Martins de Siqueira. São Paulo: Iluminuras, 1991.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Estação Literária
Londrina/ PR
ISSN: 1983-1048
E-mail: estacaoliteraria@uel.br