O gênio romântico e a imortalidade: Análise de “Ahasverus e o gênio” e “Mocidade e morte”, de Castro Alves

Laysa Beretta

Resumo


A certeza sobre a própria finitude perpassa a vida de todos os homens; no entanto, isso não significa aceitar que o fim último da existência é morrer: antes, revoltar-se contra isso. Assim, uma das alternativas para driblar a morte é encontrada na arte, que se configura como uma promessa de imortalidade, ou seja, é a transgressão máxima à condição humana, é o que possibilita ao homem igualar-se aos deuses. Tendo isso em vista, objetiva-se neste artigo fazer uma articulação entre a noção de gênio romântico e o anseio de imortalidade. Para tanto, buscar-se-á em dois poemas de Castro Alves entender a relação homem-legado e como isso representa um gesto de revolta.


Palavras-chave


Castro Alves; Gênio criador; Imortalidade; Legado literário.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, Castro. Espumas flutuantes. In: Poesias Completas. São Paulo: Ediouro, s.d.

AMADO, Jorge. ABC de Castro Alves. São Paulo: Cia das Letras, 2010.

ANDRADE, Carlos Drummond de. Claro Enigma. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

BARROS, Manoel de. Retrato do Artista quando Coisa. Rio de Janeiro: Record, 1998.

HERZOG, Werner. Caverna dos Sonhos Esquecidos. Canada|USA|France|Germany|UK. Creative Differences, History Films, Ministère de la Culture et de la Communication de France. Dvd, Documentário, 2010, 90 min. Título original: Cave of Forgotten

Dreams.

LÖWY, Michael; SAYRE, Robert. Revolta e Melancolia: o romantismo na contramão da modernidade. Petrópolis: Vozes, 1995.

NUNES, Benedito. A Visão Romântica. In: O Romantismo. Org. Jacó Guinsburg. São Paulo: Editora Perspectiva, 1993.

PESSOA, Fernando. Mensagem, In: O eu profundo e os outros eus: seleção poética. Org. Afrânio Coutinho. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1980.

PRADO, Márcio Roberto do. Vésper. 2007. 347 f. Tese de Doutorado em Estudos Literários - Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista, Araraquara, 2007.

RANK, Otto. O Duplo. Tradução: Mary B. Lee. Rio de Janeiro: Brasilica, 1939.

SCHÜLER, Donaldo. Sobre a gênese do gênio. Revista Travessia, n. 25. Florianópolis, 1992.

VOLOBUEF, Karin. Frestas e Arestas. A prosa de ficção do romantismo na Alemanha e no Brasil. São Paulo: Editora da UNESP, 1999.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Estação Literária
Londrina/ PR
ISSN: 1983-1048
E-mail: estacaoliteraria@uel.br