François Villon, um poeta maldito avant la lettre? A balada dos enforcados como um modelo poético de Rimbaud, Pound e Augusto de Campos

Daniel Padilha Pacheco da Costa

Resumo


Neste artigo, não se pretende subscrever a imagem moderna de François Villon como um poeta maldito avant la lettre, mas mostrar como essa imagem foi o resultado das diferentes apropriações da sua obra por importantes poetas modernos e modernistas. A utilização da Balada dos enforcados, uma das suas mais conhecidas composições, como um modelo poético por Rimbaud, Pound e Augusto de Campos pode ser considerada como um caso exemplar da sua recepção moderna. O estudo da sua paródia pelo simbolista francês, do seu pastiche pelo modernista americano e da sua tradução pelo concretista brasileiro permitirá situar o lugar ocupado pelo “poeta medieval” na construção de seus próprios projetos poéticos. Se bem que sejam inteiramente incompatíveis com o projeto poético de Villon, lapidarmente exposto pela Balada dos enforcados, as retomadas dessa balada por poetas tão diferentes testemunham a fecundidade desse projeto.


Palavras-chave


Transgressão; Abjeção; Obscenidade; Morte.

Texto completo:

PDF

Referências


BANVILLE, Theodor. Gringoire. Paris: Calman Lévy, 1896.

FAUSTINO, Mário. Poesia-experiência. São Paulo: Perspectiva, 1976.

HERMÓGENES. Progymnasmata. Tradução: George Kennedy. Boston, 2003.

KUHN, D. La Poétique de François Villon. Paris: Colin, 1967.

LE GENTIL, Pierre. Villon: Connaissance des lettres. Hatier, 1967.

LEITE, Sebastião. Jogos e Enganos. Rio de Janeiro: Ed. UFRJ, 1995.

LONGNON, Auguste. Étude biographique sur François Villond'après les documents inédits conservés aux Archives nationales. Paris: Menu, 1877.

MORSBERGER, R. E. Villon and the Victorians: the influence and the legend. In: The Bulletin of Rocky Mountain Modern Language Association, vol. 2, no. 4, 1969.

PIGNATARI, Décio. Poesia pois é poesia: 1950-2000. Campinas: Editora Unicamp, 2004.

POUND, Ezra. The Spirit of Romance. London: Peter Owen Limited, 1910.

________. ABC da Literatura. Tradução: Augusto de Campos e José Paulo Paes. São Paulo: Cultrix, 1970.

________. Selected Poems 1908-1959. London: Faber, 1975.

________. A Arte da Poesia: ensaios escolhidos. São Paulo: Cultrix-Edusp, 1976.

RIMBAUD, Arthur. Oeuvres. Paris: Société Mercure de France, 1898.

SAINÉAN, Lazare. Les Sources de l’Argot Ancien. Paris: Champion, 1912.

SÉBILLET, T. Art Poétique François. In: GOYET, F. Traités de poétique et de rhétorique de la Renaissance. Paris: Librairie Générale Française, 1990.

THE HOLY BIBLE. Baltimore: John Murphy, 1912.

VERLAINE, Paul. Les poètes maudits. Tristan Corbière, Arthur Rimbaud, Stéphane Mallarmé. Paris: Léon Vanier, 1884.

VILLON, François. The Jargon of Master François Villon. Tradução: J.H. Stabler. Boston,1918.

________. Poemas de François Villon. Tradução: Péricles Eugênio da Silva Ramos. São Paulo: Art Editora, 1986.

________. Os Testamentos de François Villon algumas baladas mais. Tradução: Vasco da Graça Moura. Porto: Campo das Letras, 1997.

________. Poesia. Tradução: Sebastião Uchoa Leite. São Paulo: Edusp, 2000.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Estação Literária
Londrina/ PR
ISSN: 1983-1048
E-mail: estacaoliteraria@uel.br