A consciente dor de existir: uma análise do poema "III” de Paulo Henriques Britto

Alana Regina Sousa de Menezes

Resumo


Este artigo tem como objetivo fazer uma leitura do poema “III”, de Paulo Henriques Britto, que integra a série “Uma doença” do livro <i>Tarde</i> (2007). A perspectiva adotada é a de que o poema vale-se da tensão estabelecida em torno de um conflito subjetivo gerado pela ideia de dor como o sintoma nuclear da maior de todas as doenças – a vida. Para ancorar o percurso analítico, foram usadas as contribuições de Candido (2006), com a finalidade de mais específico estudo do texto em gênero poético; de Nietzsche (2006), no que tange à análise dos aspectos filosóficos referentes às noções de debilidade e enfermidade infiltradas na subjetividade humana. 


Palavras-chave


Consciência; Dor; Existência; Linguagem; Poema.

Texto completo:

PDF

Referências


ADORNO, Thedor W. Dialética Negativa. Tradução de Marco Antonio Casanova. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2009.

BECHARA, Evanildo. Moderna Gramática Portuguesa. 37. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2009.

BRITTO, Paulo Henriques. Tarde. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

CANDIDO, Antonio. O estudo analítico do poema. 5. ed. São Paulo: Associação Editorial Humanitas, 2006.

NIETZSCHE, Friedrich. Ecce Homo. Tradução de Marcelo Backes. Porto Alegre: L&PM, 2006.

SACCONI, Luiz Antonio. Grande Dicionário Sacconi da língua portuguesa: comentado, crítico e enciclopédico. São Paulo: Nova Geração, 2010.

SANTOS, Maria Irene. A doença do poeta. In: Revista Crítica de Ciências Sociais. Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, nº 23, 1987.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Estação Literária
Londrina/ PR
ISSN: 1983-1048
E-mail: estacaoliteraria@uel.br