Pai, aproxima de mim esses cálices – Criolo, Chico Buarque, Gilberto Gil, João Cabral de Melo Neto e os Resquíscios de ditadura na literatura contemporânea

Karina Kristiane Vicelli

Resumo


O artigo propõe uma análise a partir de duas letras de rap, Cálice e Esquiva da esgrima, do compositor e músico Criolo. Para tanto, aponta relações com outras composições da música e literatura brasileiras. Dentre estas, a música Cálice original, de Chico Buarque e Gilberto Gil, e o poema Morte e Vida Severina, de João Cabral de Melo Neto. A partir dessas relações dialógicas, discute a questão do engajamento social e da marginalização. Teóricos como Adorno, Bosi, Melo, Octavio Paz e Schollhammer servem de esteio para essa análise.


Palavras-chave


Rap; Criolo; Poesia contemporânea; Marginalização.

Texto completo:

PDF

Referências


BOSI, A. O ser e o tempo da poesia. 5 ed. São Paulo: Cultrix, 1990.

PAZ, Octavio. O arco e a lira. Trad. Ari Roitman; Paulina Wacht. São Paulo: Cosac Naify, 2013.

PIRES-DE-MELLO, José Geraldo. Teoria do ritmo poético. 4 ed. São Paulo: Rideel; Brasília: UniCEUB, 2001.

RANCIÈRE, Jacques. A partilha do sensível: estética e política. Trad. Mônica Costa Netto. São Paulo: EXO experimental org., Ed. 34, 2005.

SCHOLLHAMMER, Karl Erik. Ficção brasileira contemporânea. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Estação Literária
Londrina/ PR
ISSN: 1983-1048
E-mail: estacaoliteraria@uel.br