Poe, Baudelaire, Huysmans: Dândis e malditos

Ana Luiza Silva Camarani, Luciana Moura Colucci de Camargo

Resumo


Poe, Baudelaire e Huysmans, vozes que desorientam os leitores devido ao ímpeto literário iconoclasta, souberam incomodar a sociedade e a tradição tornando-se arquétipos do <i>poèt maudit<i>. Excêntricos, esses poetas, vivendo exilados e à margem da malograda sociedade burguesa com suas regras morais, anseiam algo além do que o mundo então oferecia; assim, voltam-se para as regiões misteriosas do obscuro, da sordidez e do satânico, tornando-se, por fim, os poetas do abismo. Ao mesmo tempo malditos e estetas, aspiram a ser sublimes e consideram o dandismo como o último raio de luz das decadências: é o que este artigo pretende discutir.


Palavras-chave


Literatura comparada; Decadentismo; Dândi.

Texto completo:

PDF

Referências


BALAKIAN, Anna. O simbolismo. São Paulo: Perspectiva, 2000.

BAUDELAIRE, Charles. Poesia e Prosa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2006.

BORGES FILHO, Ozíris. Espaço & Literatura: Introdução à topoanálise. Franca: Ribeirão Gráfica e Editora, 2007.

BOURGET, Paul. Essays de psychologie contemporaine: Théorie de La décadence. Paris, Plon, v. 1, 1924, p. 19-26. Disponível em:

, acesso em: 27 jun 2011.

COMPAGNON, Antoine. Literatura para quê? Belo Horizonte: Editora UFMG, 2009.

GAY, Peter. A experiência burguesa da Rainha Vitória a Freud: O coração desvelado. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

GOMES, Álvaro Cardoso. O Simbolismo. São Paulo: Ática, 1994.

HUGO, Victor. Do Grotesco e do Sublime. Tradução: Célia Berrettini. São Paulo:Perspectiva, 2004.

HUYSMANS, Joris Karl. Às Avessas. Tradução e estudo crítico: José Paulo Paes. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.

LEMONNIER, Léon. Introduction. In: POE, Edgar. Histoires extraordinaires. Paris:Garnier Frères, 1962, p. I-XXXI.

MORETTO, Fúlvia M. L. Caminhos do decadentismo francês. São Paulo: Perspectiva, 1989.

MUCCI, Latuf Isaías. Ruína & Simulacro Decadentista. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1990.

POE, Edgar Allan. Histórias Extraordinárias. Tradução: Brenno Silveira e outros. São Paulo: Nova Cultural, 1993.

_________. Ficção completa, poesia e ensaios. Tradução: Oscar Mendes. São Paulo: Nova Aguilar, 2006.

QUEIROZ, Eça de. A cidade e as serras. São Paulo: Aguilar, 1970.

WILDE, Oscar. O retrato de Dorian Gray. Tradução: Oscar Mendes. Rio de Janeiro:Nova cultural/Círculo do Livro, 1993.

WILSON, Edmund. O Castelo de Axel. São Paulo: Cultrix, 1959.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Estação Literária
Londrina/ PR
ISSN: 1983-1048
E-mail: estacaoliteraria@uel.br