Julio Cortázar: ser e ser um axolote: o encontro de si mesmo no outro por meio das paixões

Alamir Aquino Correa, Marília Israel Rocha

Resumo


O presente trabalho concentra-se na análise do conto Axolote (1976) de Julio Cortázar, com base nas teorias semióticas propostas por Greimas e Fiorin como fio condutor para tanto. Serão colocados alguns questionamentos com base nos estudos dos signos empregados pelo autor e a tentativa de identificar algumas paixões partindo dos pressupostos da Semiótica das Paixões (1993). Também são colocados alguns apontamentos em relação à maneira que o enunciador cria elementos, propiciando ao leitor a sensação de estranheza característica do Realismo Fantástico latinoamericano, sem deixar de levar em consideração o contexto histórico-político da época de produção do conto.


Palavras-chave


Enunciador; Semiótica e Contexto Histórico; Semiótica das Paixões.

Texto completo:

PDF

Referências


BARROS, Diana Luz Pessoa de. Teoria Semiótica do texto. São Paulo: Ática, 2003.

BERTRAND, Denis. Caminhos da Semiótica Literária. Bauru: Edusc, 2003.

CORTÁZAR, Julio. Los retalos, 1: Ritos. Madrid: Alianza Editorial, 2009.

COUTINHO, Eduardo F. Literatura comparada na América Latina: Ensaios. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2003.

FIORIN, José Luiz. Linguagem e Ideologia. São Paulo: Ática, 1990.

________. Semiótica das Paixões: o ressentimento. In: Alfa, São Paulo, n 51 v1, p. 9-22, 2007.

________. As Astúcias da Enunciação. As categorias de pessoa, espaço e tempo. São Paulo: Ática, 1996.

GREIMAS, A. J. Du sens II. Essaissémiotiques. Paris: Seuil, 1983.

GREIMAS& FONTANILLE, J. Semiótica das paixões. São Paulo: Ática, 1993.

MELLO, Luiz Carlos Migliozzi Ferreira de. Reflexões sobre o medo: um olhar semiótico. Belém: ABES, 2007.

POLIMENI, Carlos. Cortázar para principiantes. Buenos Aires: Era Naciente, 2006.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Estação Literária
Londrina/ PR
ISSN: 1983-1048
E-mail: estacaoliteraria@uel.br