Natureza e gêneros da textualidade da literatura hispano-americana colonial de viagem do século XVI

Rogério Mendes Coelho

Resumo


Os textos produzidos por navegadores, religiosos e intelectuais espanhóis entre os séculos XVI e XVII a respeito da América propuseram, entre as nuances da historiografia e do discurso ficcional, da imitação e do desvio, as bases interpretativas da América. Desse modo, a literatura hispano-americana colonial abriu uma perspectiva interessante para se refletir a respeito do significado da imaginação e da experiência no século XVI. O que se propõe com o artigo é a análise da função, estrutura e problematização dos desdobramentos de sua recepção e interferência tanto no processo de formação social quanto literária no continente americano.


Palavras-chave


Literatura hispano-americana colonial; Imaginação; Alteridade; Relatos de viagens.

Texto completo:

Sem título

Referências


AINSA, Fernando. De la Edad de Oro al El Dorado. Génesis del Discurso Utópico Americano. México: FCE, 1992.

BACHELARD, Gaston. A Poética do Espaço. Tradução: Antonio da Costa Leal; Lídia do Valle Santos Leal. São Paulo: Martins Fontes, 1993.

BHABHA, Homi. O Local da Cultura. Tradução: Myriam Ávila, Eliana Lourenço de Lima Reis, Gláucia Renata Gonçalves. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 1998.

COLÓN, Cristóbal. Los Cuatro Viajes del Almirante y su Testamento. Disponível em: http://www.cervantesvirtual.co /servelet/sirveobras/50362733173581464260046/i ndex.htm. Acessado em: 10 de jun de 2003.

CORDIVIOLA, Alfredo. Um Mundo Singular. Imaginação, Memória e Conflito na Literatura Hispano-Americana do Século XVI. Recife: PPGL/UFPE, 2005.

ELIADE, Mircea. Mito e Realidade. Tradução: Póla Civelli. São Paulo: Perspectiva, 2004.

ELLIOTT, Jonh H. El Viejo Mundo y el Nuevo (1492-1650). Madrid: Alianza Editorial, 2000.

FOUCAULT, Michel. As Palavras e as Coisas. Uma Arqueologia das Ciências Humanas. Tradução: Salma Tannus Muchail. São Paulo: Martins Fontes, 1987.

GÂNDAVO, Pero Magalhães. Tratado da Terra & História do Brasil. Leonardo Dantas Silva (org). Recife: Fundação Joaquim Nabuco; Editora Massangana, 1995.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. Visão do Paraíso: os Motivos Edênicos no Descobrimento e Colonização do Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1996.

LIMA, Luiz Costa. O Controle do Imaginário. Razão e Imaginação no Ocidente. São Paulo: Brasiliense, 1999.

LÓPEZ, Juan Ignácio Jurado-Centurión. A Forja da Identidade Através da Literatura Colonial dos Séculos XVI e XVI: Navegantes, Cronistas e Religiosos no Novo Mundo. Dissertação de Mestrado orientada pelo Professor Dr. Alfredo Cordiviola (UFPE) e apresentada ao Departamento de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal de Pernambuco. Recife. 2006.

MIGNOLO, Walter. Cartas, Cronicas y Relaciones de la Literatura Colonial Hispanoamericana. In: MADRIGAL, Luís Íñigo (org). Historia de la Literatura Hispanoamericana Colonial. Tomo 1. Madrid: CATEDRA, 2002. pp. 57-117.

O’GORMAN, Edmundo. Invenção da América. Tradução: Ana Maria Martinez; Manoel Lelo Bellotto. São Paulo: UNESP, 1992.

SEARLE, John. A Intencionalidade. Tradução: Julio Fisher; Tomás Rosa Bueno. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

SOUSA, Gabriel Soares de. Tratado Descritivo do Brasil em 1587. Leonardo Dantas Silva (org). Recife: Fundação Joaquim Nabuco; Editora Massangana, 2000.

TEODORO, Janice. América Barroca. São Paulo: Nova Fronteira/EdUSP, 1992.

VESPÚCIO, Américo. Eduardo Bueno (org). Novo Mundo. As Cartas que Batizaram a América. São Paulo: Planeta, 2003.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Estação Literária
Londrina/ PR
ISSN: 1983-1048
E-mail: estacaoliteraria@uel.br