Uma leitura do nomadismo e antinomadismo no romance A caverna, de José Saramago: a disciplina como prisão

Devalcir Leonardo

Resumo


O presente artigo apresenta uma reflexão acerca dos mecanismos disciplinares na sociedade moderna que impendem o fluxo migratório. Para aprofundar o tema em questão tomaremos as teorias de Michel Foucault, em especial a obra Vigiar e Punir (1987). Em oposição ao discurso condicionador, o escritor português José Saramago elabora obras literárias que buscam criar fissuras nos cárceres da sociedade contemporânea, seus personagens estão sempre em migração, em busca da própria essência do humano no mundo. A obra A caverna (2000) de Saramago apresenta o choque entre a temática do nomadismo e o antinomadismo na trama romanesca.


Palavras-chave


Literatura; Nomadismo; Liberdade; Disciplina.

Texto completo:

Sem título

Referências


BAUMAN, Zygmunt. Modernidade e ambivalência. Tradução: Marcus Penchel. Rio de Janeiro: J. Zahar, 1999.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Tradução: Lígia M. Pondé Vassallo. 5 ed. Petrópolis: Vozes, 1987.

KOTHE, Flávio R. Fundamentos da teoria literária. Brasília-DF: Ed. da Universidade de Brasília, 2002.

MAFFESOLI, Michel. Sobre o Nomadismo: vagabundagem pós-moderna. Rio de Janeiro: Record, 2005.

MARC, Augé. Não-lugares: introdução a uma antropologia da supermodernidade. Tradução: Maria Lúcia Pereira. Campinas, SP: Papirus, 1994.

POGREBINSCHI, Thamy. Foucault, para além do poder disciplinar e do biopoder. In. Lua Nova: Revista de Cultura e Política. São Paulo, n. 63 - 2004, disponível em: . Acesso em: 20/09/2007.

PLATÃO. A República. Tradução: Ciro Mioranza. 2 ed. São Paulo: Escala, 2007.

SARAMAGO, José. A caverna. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Estação Literária
Londrina/ PR
ISSN: 1983-1048
E-mail: estacaoliteraria@uel.br