Expressão nômade em Francisco Ayala, exilado nas américas

Isabel Jasinski

Resumo


Na segunda metade do século XX, os movimentos de exílio propuseram novas questões a respeito do ser, das relações simbólicas e da expressão do desapego, vinculadas a uma oscilação dos supostos da identidade. A experiência do exílio desdobrou-se em uma percepção nômade que favoreceu o intercâmbio em função de numa inteligência da multiplicidade. Essa condição constituiu um imaginário relacionado à impermanência das coisas como se procurará analisar a partir de alguns contos de Francisco Ayala produzidos nas Américas.

 


Palavras-chave


Exílio; Nomadismo; Francisco Ayala.

Texto completo:

PDF

Referências


ABELLÁN, José Luis. La revista España peregrina como paradigma del exilio español de 1939. Revista Archipiélago, Madrid, Anagrama, 26/27, pp. 119-124, 1996.

ADORNO, Theodor W.; HORKHEIMER, Max. Dialética do esclarecimento: fragmentos filosóficos. Tradução: Guido Antonio de Almeida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1985.

ANTELO, Raul. Mimetismo y migración. In: FERNÁNDEZ BRAVO, Álvaro et al. (eds). Sujetos en tránsito: (in)migración, exilio y diáspora en la cultura latinoamericana. Buenos Aires: Alianza, 2003, pp. 125-142.

________. Los confines como reconfiguración de las fronteras. Revista Pensamiento de los Confines, Buenos Aires, Fondo de Cultura Económica, 17, dic., pp. 33-44, 2005.

ATTALI, Jacques. L’homme nomade. Paris: Fayard, 2003.

AUGÉ, Marc. Não-lugares: introdução a uma antropologia da supermodernidade. Tradução: Maria Lúcia Pereira. São Paulo: Papirus, 1994.

AYALA, Francisco. La cuestionable literatura del exilio. In: El escritor en su siglo. Madrid: Alianza, 1990, pp. 224-237.

________. Historia de macacos. Madrid: Castalia, 1995.

________. El jardín de las delicias. Madrid: Alianza, 1999.

BENJAMIN, Walter. Teses sobre filosofia da história. In: Sociologia. Tradução: Flávio R. Kothe. São Paulo: Ática, 1991, pp. 153-164.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia, v. 1. Tradução: Aurélio Guerra Neto e Célia Pinto Costa. Rio de Janeiro: Editora 34, 1995.

FLUSSER, Vilém. Bodenlos: uma autobografia filosófica. São Paulo: Annablume, 2007.

GUILLÉN, Claudio. Múltiples moradas. Barcelona: Tusquets, 1998.

KRAUEL, Javier. América o la disolución de la autenticidad: intelectuales y exilio. In: ANTELO, Raul (Ed). Crítica e ficção, ainda. Florianópolis: Pallotti, 2006, pp. 133-158.

MAFFESOLI, Michel. Sobre o nomadismo: vagabundagens pós-modernas. Tradução: Marcos de Castro. Rio de Janeiro: Record, 2001.

SAID, Edward. Reflexões sobre o exílio e outros ensaios. Tradução: Pedro Maia Soares. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

ZUMTHOR, Paul. Escritura e nomadismo. São Paulo: Ateliê, 2005.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Estação Literária
Londrina/ PR
ISSN: 1983-1048
E-mail: estacaoliteraria@uel.br