Sobre o exílio em Clarice Lispector

Valdir Olivo Júnior

Resumo


A proposta deste trabalho é problematizar o exílio em Clarice Lispector, tendo como foco central o livro Água viva (1973), mas valendo-se também de seu livro póstumo intitulado Um sopro de vida: pulsações (1978), além de alguns de seus contos. O exílio é aqui entendido como forma de ler o vazio em Clarice Lispector, processo que faz interrogar tanto a relação entre bem comum e política, como a dimensão do outro. Num primeiro momento, este trabalho se centrará nas reflexões de C.L. sobre o espelho, presentes em Água viva, e, posteriormente, irá focalizar a relação entre linguagem e negatividade que se estabelece em alguns de seus textos.


Palavras-chave


Clarice Lispector; Literatura; Exílio.

Texto completo:

PDF

Referências


AGAMBEN, Giorgio. Infancia e historia. Destrucción de la experiencia y origen de la historia. Tradução: Silvio Mattoni. Buenos Aires: Adriana Hidalgo, 2007.

________. O cinema de Guy Debord. Tradução: Antônio Carlos Santos. Paris: Desclée de Brouwer, 2004.

________. O que é o contemporâneo? E outros ensaios. Tradução: Vinícius Nicastro Honesko. Chapecó: Argos, 2009.

BARTHES, Roland. A câmara clara. Tradução: Júlio Castañon Guimarães. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1984.

________. Neutro. Tradução: Ivone Castilho Benedetti. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BATAILLE, Georges. La literatura y el mal. Ediciones El aleph, 2000. Disponível em: . Acesso em: 10 jul. 2012.

BORGES, Jorge Luis. El jardín de los senderos que se bifurca. In: Obras completas. Tomo I. Buenos Aires: Emecé, 2007.

DELEUZE, Gilles. Imagem-tempo. Tradução: Eloisa de Araujo Ribeiro. Brasiliense: São Paulo, 2007.

FREUD, Sigmund. O mal-estar na cultura. Tradução: Renato Zwick. Rio de Janeiro: L&PM, 2010.

LISPECTOR, Clarice. Água viva. Rio de Janeiro: Rocco, 1998.

________. A paixão segundo G.H. Buenos Aires. São Paulo, Rio de Janeiro e Lima: ALLCA XXI, 1996.

________. A imitação da rosa. Rio de Janeiro: Arte nova, 1973.

________. Para não esquecer. São Paulo: Ática, 1979.

________. Um sopro de vida: pulsações. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1978.

NANCY, Jean-Luc. El sentido del mundo. Tradução: Jorge Manuel Casas. Buenos Aires: La marca, 2003.

________. El ser singular plural. Tradução: Antônio Tudela Sancho. Madrid: Arena, 2006.

________. La comunidade enfrentada. Tradução: Juan Manuel Garrido. Buenos Aires: La cebra, 2002.

________. La existencia exiliada. Archipiélago, Barcelona, n. 26-7, 1996.

RANZOLIN, Célia Regina. Clarice Lispector cronista: No Jornal do Brasil (1967-1973). Dissertação de mestrado. PPGL/UFSC, 1985.

ROA BASTOS, Augusto. El Baldío. Buenos Aires: Losada, 2005.

TARKOVSKI, Andrei. Esculpir o tempo. Tradução: Jefferson Luiz Camargo. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

WALDMAN, Berta. A retórica do silêncio em Clarice Lispector. In: JUNQUEIRA FILHO, L. C. U. (org.). Silêncios e luzes: Sobre a experiência psíquica do vazio e da forma. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1998.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Estação Literária
Londrina/ PR
ISSN: 1983-1048
E-mail: estacaoliteraria@uel.br