Teoria lukacsiana e o “herói medíocre” na obra A muralha

Samantha Borges

Resumo


Este artigo tem como objetivo analisar o romance A Muralha, de Dinah Silveira de Queiróz, à luz da teoria de George Lukács acerca do “romance histórico clássico”, que apresenta características como a narrativa de grandes painéis históricos; a presença de personagens históricos, que aparecem em segundo plano no enredo; uso de dados históricos ao longo da obra; e narrador, em geral, em terceira pessoa. O artigo ainda se detém no que é conhecido como “herói medíocre” na teoria lukácsiana. Considerando a presença dessas características, este artigo busca comprovar que A Muralha é representativa do gênero romance histórico clássico no Brasil.

 


Palavras-chave


Romance histórico; Lukács; A Muralha.

Texto completo:

PDF

Referências


BAUMGARTEN, Carlos Alexandre. O novo romance histórico brasileiro. Via Atlântica, n. 4, p. 168-176, out. 2000.

ESTEVES, Antônio Roberto; MILTON, Heloísa Costa. O novo romance histórico hispano-americano. In. MILTON, H. C.; SPERA, J. M. (Orgs.). Estudos de literatura e linguística. Assis: Unesp, Assis Publicações, 2001. p. 83-118.

LOPEZ, Adriana; MOTA, Carlos Guilherme. História do Brasil – uma interpretação. São Paulo: Editora SENAC São Paulo, 2008.

LUKÁCS, George. La novela histórica. México: Era, 1966.

QUEIROZ, Dinah Silveira. A Muralha. Brasília: EBRASA, 1971.

ZILBERMAN, Regina. O Romance Histórico – Teoria e Prática. In: BORDINI, Maria da Glória (Org.). SANSEVERINO, Antônio Marcos... [et al.]. Lukács e a Literatura. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2003.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Estação Literária
Londrina/ PR
ISSN: 1983-1048
E-mail: estacaoliteraria@uel.br