Um homem com muitas qualidades: nuances entre sentimento e pensamento na obra de Robert Musil

Carlos Roberto Ludwig

Resumo


Esse artigo analisa os capítulos 50 a 55 da obra O Homem sem Qualidades, de Robert Musil. Foca a análise as observações em que Musil critica sutilmente o primado do pensamento sobre a sensibilidade e a falácia de algumas ciências em geral e da filosofia, que sempre consideram a sensibilidade como subjugada à racionalidade. Analisa também a crítica que Musil faz à psicologia da época que considera o sentimento de modo reducionista, reduzindo a noção de emoção a modelos restritos à pulsão, prazer e desejo.

 


Palavras-chave


Sensibilidade e Pensamento; Crítica à Psicologia e à Psicanálise; Primado da Racionalidade e Cartesianismo.

Texto completo:

PDF

Referências


AUERBACH, Erich. Mímesis: a representação da realidade na literatura ocidental. São Paulo: Perspectiva, 1994.

BAXANDALL, Michel. O Olhar Renascente. São Paulo: Paz e Terra, 1991.

COETZEE, John Maxwell. The Man with Many Qualities. Publicado em 2003. Disponível em: http://www.xs4all.nl/~jikje/Essay/coetzee2.html , acesso dia 28 de setembro de 2009.

FOERSTER, Eckart. Kant’s Final Synthesis. Harvard University Press, 2000.

FREUD, Sigmund. Sobre a Transitoriedade. Obras psicológicas Completas de Sigmund Freud. Vol. XIV. Rio de Janeiro: Imago, 2006.

HEGEL. Estética. Coleção Filosofia & Ensaios; tradução Álvaro Ribeiro e Orlando Vitorino. Lisboa: Guimarães Editores, 2005.

KANT, Immanuel. Critique of Judgment. Translated with Introduction and Notes by J. H. Bernard. New York: Dover, 2005.

MUSIL, Robert. O Homem sem Qualidades. Tradução de Lya Luft e Carlos Abbenseth. 2ª. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1989.

ROSENFIELD, Kathrin H. L. Estética. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2006, p. 27-36.

______. A Linguagem Liberada. São Paulo: Perspectiva, 1989.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Estação Literária
Londrina/ PR
ISSN: 1983-1048
E-mail: estacaoliteraria@uel.br