Paródia e questionamento social em Nélida Pinõn e Lya Luft

Carlos Magno Gomes

Resumo


Este artigo analisa a paródia como um dos principais recursos estéticos do romance brasileiro do final do século XX. Além de ser satírica e questionadora, a paródia ressalta a intertextualidade como recurso artístico legítimo do romance pós-moderno. Como corpus, dimensionaremos o recurso da paródia na crítica à família patriarcal presente nos romances de Nélida Piñon e Lya Luft. Metodologicamente, exploramos conceitos de paródia e de intertextualidade propostos por Linda Hutcheon, Umberto Eco e Eduardo Coutinho.

 


Palavras-chave


Intertextualidade; Paródia; Romance pós-moderno.

Texto completo:

PDF

Referências


CARVALHAL, Tânia Franco. Literatura comparada. São Paulo: Ática, 2003.

COUTINHO, Eduardo, F. Revisitando o pós-moderno. In : GUINSBURG, J. e

BARBOSA, Ana Mae (orgs.). O pós-modernismo. São Paulo: Perspectiva, 2005, pp. 159-

ECO, Umberto. Ironia intertextual e níveis de leitura. In: ECO, Umberto. Sobre

literatura. 2ª. ed. Tradução de Eliana Aguiar. Rio de Janeiro: Record, 2003, pp. 199-

HUTCHEON, Linda. Poética do pós-modernismo. Tradução de Ricardo Cruz. Rio de

Janeiro: Jorge Zahar, 1991.

______. Uma teoria da paródia. Tradução de Teresa Louro Pérez. Lisboa: Edições 70,

LUFT, Lya. O ponto cego. São Paulo: Mandarim, 1999.

RICHARD, Nelly. Feminismo e desconstrução. In: ______. Intervenções críticas.

Tradução de Rômulo Monte Alto. Belo Horizonte: UFMG, 2002.

NITRINI, Sandra. Literatura Comparada: história, teoria e crítica. 3ª. edição. São Paulo:

EdUSP, 2010.

PIÑON, Nélida. A doce canção de Caetana. São Paulo: Record, 1997.

SANTIAGO, Silviano. O cosmopolitismo do pobre: crítica literária e crítica cultural. Belo

Horizonte: Ed UFMG, 2004.

VATTIMO, Gianni. O fim da modernidade. Tradução Eduardo Brandão. São Paulo:

Martins Fontes, 2002.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Estação Literária
Londrina/ PR
ISSN: 1983-1048
E-mail: estacaoliteraria@uel.br