O poeta ao telescópio: imagens cósmicas na poesia de Ferreira Gullar

Marcelo Ferraz de Paula

Resumo


As imagens do cosmos têm tido papel destacado na produção mais recente do poeta Ferreira Gullar. Este artigo se propõe a fazer um itinerário crítico do assombro do sujeito gullariano diante dos grandes espaços celestiais, partindo das ocorrências esparsas, mas incisivas, de suas primeiras obras, até a posição central ocupada pela inquietação cósmica nos seus últimos livros publicados.


Palavras-chave


Ferreira Gullar; Lírica Contemporânea; Cosmos; Imagem Poética

Texto completo:

PDF

Referências


ARRIGUCCI JR., D. O Silêncio e Muitas Vozes. Folha de São Paulo. 12 de jun. 1999. Caderno de Resenhas.

BOSI, A. Roteiro do poeta Ferreira Gullar. In: Céu Inferno. São Paulo: Duas Cidades, 2004.

FRIEDRICH, H. Estrutura da lírica moderna. São Paulo: Duas Cidades, 1978.

GULLAR, Ferreira. Toda Poesia. 18. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 2009.

______. Em alguma parte alguma. Rio de Janeiro: José Olympio, 2010.

LAFETÁ, J. L. Traduzir-se. In: ______. A Dimensão da noite. São Paulo, Duas Cidades, 2004.

VILLAÇA, Alcides. A poesia de Ferreira Gullar. Tese de Doutoramento. FFLCH-USP. São Paulo, 1984.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Estação Literária
Londrina/ PR
ISSN: 1983-1048
E-mail: estacaoliteraria@uel.br