A identidade em questão em Budapeste, de Chico Buarque

Adrea Quilian de Vargas, Rosani Umbach

Resumo


O fim dos anos 50 e o início dos 60 representaram, no século passado, um divisor de águas entre as eras moderna e pós-moderna. Noções como a supremacia da história e a totalidade do homem passaram a ser questionadas. Assistimos ao fim das grandes narrativas e à fragmentação do sujeito, abalando, dessa forma, a ideia que tínhamos de nós mesmos. Vivemos, hoje, na dúvida e na incerteza. Quem somos? Através deste artigo, pretendemos verificar como essa fragmentação do sujeito está presente na obra Budapeste, de Chico Buarque.

 


Palavras-chave


Budapeste; Chico Buarque; Identidade.

Texto completo:

PDF

Referências


AUGÉ, Marc. Não-lugares: Introdução a uma antropologia da supermodernidade. Tradução de Maria Lúcia Pereira -Campinas, SP: Papirus, 1994.

BUARQUE, Chico. Budapeste. São Paulo: Companhia das letras. 2003.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A Editora, 1992.

HUTCHEON, Linda. Poética do pós-Modernismo: história, teoria, ficção. Tradução: Ricardo Cruz. Rio de Janeiro: Imago Editora, 1991.

JAMESON, Fredrich. Pós-modernismo: a lógica cultural do capitalismo tardio. São Paulo: Editora Ática, 1997.

RICOEUR, Paul. O si-mesmo como um outro. Campinas, SP: Papirus, 1991.

VATTIMO, Gianni. A sociedade transparente. Lisboa: Edições 70, 1989.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Estação Literária
Londrina/ PR
ISSN: 1983-1048
E-mail: estacaoliteraria@uel.br