Protagonismo negro, autoria branca: A revolta da cachaça e Arena conta: Zumbi

Patrícia Trindade Nakagome, Regina Claudia Garcia Oliveira de Sousa

Resumo


O teatro, por estar profundamente marcado por diálogos, é um importante espaço literário de confronto. Nesse sentido, o que discutimos neste artigo é em que medida o teatro brasileiro moderno coloca em cena o conflito entre negros e brancos, que se oculta por trás do mito da democracia racial. Para isso, analisamos as peças A Revolta da Cachaça, de Antonio Callado, e Arena conta: Zumbi, de Gianfrancesco Guarnieri e Augusto Boal, a fim de mostrar como, de diferentes formas, os negros são colocados à margem não apenas nas montagens teatrais, mas até mesmo nos fatos históricos em que foram protagonistas.


Palavras-chave


Teatro brasileiro; Negro; A Revolta da cachaça; Arena conta: Zumbi.

Texto completo:

PDF

Referências


BASTIDE, Roger & FERNANDES, Florestan. Relações Raciais entre Negros e Brancos em São Paulo. São Paulo: UNESCO-ANHEMBI, 1955.

BERLIN, Isaiah. A ideia de liberdade. In: Ideias políticas na era romântica: ascensão e influência no pensamento moderno. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

CALLADO, Antonio. A revolta da cachaça. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2004.

CAMPOS, Cláudia de Arruda. Zumbi, Tiradentes (e outras histórias contadas pelo Teatro de Arena de São Paulo). São Paulo: Perspectiva, Edusp, 1988.

CEVASCO, Maria Elisa. Dez lições sobre estudos culturais. São Paulo: Boitempo, 2008.

COSTA, Iná Camargo. A hora do teatro épico no Brasil. São Paulo: Graal, 1996.

______. Sinta o drama. Petrópolis: Vozes, 1998.

DALCASTAGNÈ, Regina. A personagem do romance brasileiro contemporâneo (1990-2004). In: Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea, Brasília, v. 26, p. 13-71, 2005.

DUARTE, Eduardo de Assis. Por um conceito de literatura afro-brasileira. In: Terceira Margem, ano XIV, n. 23, jul-dez/2010.

GUARNIERI, Gianfrancesco & BOAL, Augusto. Arena conta: Zumbi. mimeo, 1965.

FREITAS, Décio. Palmares: a guerra dos escravos. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1978.

MAGALDI, Sábato. Um palco brasileiro: o Arena de São Paulo. São Paulo: Brasiliense, s/d.

MENDES, Miriam Garcia. A personagem negra no teatro brasileiro (entre 1838 e 1888). São Paulo: Ática, 1982.

PENA, Martins. Os dous ou O inglês maquinista. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000.

SCHWARZ, Roberto. Ao vencedor as batatas: forma literária e processo social nos inícios do romance brasileiro. São Paulo: Duas Cidades: Editora 34, 2000.

SOUSA, Regina Claudia Garcia Oliveira de. A exclusão como norma: a representação do escravo em duas peças brasileiras. Dissertação de mestrado. São Paulo: 2006.

TOUCHARD, Pierre-Aimé. O teatro e a angústia dos homens. São Paulo: Livraria Duas Cidades, 1970.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Estação Literária
Londrina/ PR
ISSN: 1983-1048
E-mail: estacaoliteraria@uel.br