Nhô Guimarães nas veredas da memória: recordações de uma narradora sertaneja

Normeide da Silva Rios

Resumo


O romance Nhô Guimarães, de Aleilton Fonseca, é uma homenagem a Guimarães Rosa, conforme indicação na capa do livro. A narrativa é construída a partir das lembranças e recordações de uma narradora sertaneja octogenária que, por meio da linguagem oral, presentifica o passado. A partir de reflexões sobre o papel da memória, busca-se fazer uma análise do sertão como “lugar da memória”, termo criado por Pierre Nora, e das lembranças de velhos como perpetuadoras da história, estabelecendo um diálogo com a obra Memória e sociedade, de Ecléa Bosi.


Palavras-chave


Memória; Sertão; Lugar da memória.

Texto completo:

PDF

Referências


ARRUDA, Gilmar. Cidades e sertões: entre a história e a memória. Bauru, SP: EDUSC, 2000.

BARBOSA, João Alexandre. Uma psicologia do oprimido. In: BOSI, Ecléa. Memória e sociedade: lembranças de velhos. 11. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2004. Prefácio.

BOSI, Ecléa. Memória e sociedade: lembranças de velhos. 11. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

CASTELLO BRANCO, Lucia. A traição de Penélope. São Paulo: Annablume, 1994.

CHAUÍ, Marilena de Souza. Os trabalhos da memória. In: BOSI, Ecléa. Memória e sociedade: lembranças de velhos. 11. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2004. Apresentação.

FONSECA, Aleilton. Nhô Guimarães. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2006.

LEITE, Ligia Chiappini Moraes. O foco narrativo. São Paulo: Ática, 1997.

NORA, Pierre. Entre a memória e a história: os lugares de memória. Trad. Patrícia Farias. In: Projeto História. São Paulo, nº 10, p. 7-28, dez. 1993.

ROSA, João Guimarães. Grande sertão: veredas. 19. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2001.

SARLO, Beatriz. Tempo passado: cultura da memória e guinada subjetiva. Tradução de Rosa Freire D’Aguiar. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Estação Literária
Londrina/ PR
ISSN: 1983-1048
E-mail: estacaoliteraria@uel.br