O OUROBOROS DE CAIM: UM ESTUDO DAS REPRESENTAÇÕES DE MITO E HISTÓRIA NO ROMANCE DE SARAMAGO

Janer Cristina Machado

Resumo


Mito e História constituem instâncias que se entrelaçam vigorosamente em Caim (2009), do romancista português José Saramago, cuja contundente leitura do texto bíblico se faz à luz de uma concepção de livre trânsito pelo tempo, instaurando questionamentos sobre o sentido da existência humana, seu lugar na lenda e seu papel na crônica. Partindo desta constatação, este artigo busca elucidar as representações de Mito e de História nesta derradeira obra saramaguiana, investigando os construtos sobre o tempo e sua dinâmica enquanto leitmotiv da relação do protagonista com a divindade e com o mundo, durante sua conturbada viagem entre presente, passado e futuro. 

Myth and History are instances that intertwine strongly in Caim (2009), by Portuguese novelist José Saramago, whose incisive reading of the biblical text is made under the light of a conception of free traffic through time and introducing questions about the meaning of human existence, the men’s place in legend and his role in chronicle. Starting from this fact, this article aims at elucidating the representations of Myth and History in Saramago’s last work, investigating the constructs over time and its dynamics as the leitmotiv of the protagonist's relationship with the deity and the world, during his troubled journey among present, past and future.


Palavras-chave


tempo; Mito; História. time; Myth; History.

Texto completo:

PDF

Referências


AUERBACH, Erich. Mimesis: a representação da realidade na literatura ocidental. 3 ed. São Paulo: Perspectiva, 1994.

BARROS, José D’ Assunção. Os tempos da História: do tempo mítico às representações historiográficas do século XIX. Revista Crítica Histórica, n. 2, dez/2010, p. 180-208. Disponível em: http:/www./ning.it/hoEWu4, acesso em 03 abr/2012.

BIGNOTTO, Newton. O círculo e a linha. In: NOVAES, A. (org). Tempo e História. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

CASSIRER, Ernst. A filosofia das formas simbólicas. Tomo II – O pensamento mítico. Tradução: Claudia Cavalcanti. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

CHEVALIER, Jean; GHEERBRANT, Alain. Dicionário de símbolos. Rio de Janeiro: José Olympio, 1998.

ELIADE, Mircea. História das crenças e das ideias religiosas. Das origens ao judaísmo. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.

______. O mito do eterno retorno. São Paulo: Mercuryo, 1992.

______. Mito e realidade. 6 ed. São Paulo: Perspectiva, 2006.

FRYE, Northrop. O código dos códigos: a Bíblia e a literatura. Tradução: Flavio Aguiar. São Paulo: Boitempo, 2004.

LA COCQUE, André; RICOEUR, Paul. Pensando biblicamente. Tradução: Raul Fiker. Bauru: EDUSC, 2001.

LEACH, Edmund. Edmund Leach -Antropologia. Tradução: Roberto DaMatta. São Paulo: Ática, 1983.

RICOEUR, Paul. Tempo e narrativa. Tomo III. Tradução: Roberto Leal Ferreira. Campinas: Papirus, 1997.

SARAMAGO, José. Caim. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Estação Literária
Londrina/ PR
ISSN: 1983-1048
E-mail: estacaoliteraria@uel.br