ENSAIO SOBRE A CEGUEIRA E A FRAGILIDADE DO SER: OS CEGOS ERRANTES DE SARAMAGO

Rodolfo Pereira Passos

Resumo


Em Ensaio sobre a Cegueira, romance de José Saramago, de 1995, o leitor se depara com uma desconcertante e imprevisível epidemia de “cegueira branca” instaurada em uma cidade anônima. Pensaremos, assim, nos significados de um sujeito cego e sua caminhada por uma cidade labiríntica A realidade tornou-se plural e o homem não pode enxergar mais sua segurança epistemológica. Procuraremos perceber como o romancista português utiliza-se destes dados, através de uma dominante ontológica e pós-moderna, para problematizar o ser humano e seu vínculo com um mundo marcado por um estado de “cegueira”, e assim, através da ficção, compor seus questionamentos pautados na ética e na existência. 

In the novel Ensaio sobre a Cegueira (1995), by José Saramago, without explicit marks of time or space, the reader come across a baffling and unpredictable epidemic of “white blindness” in an anonymous city.  In that case, we´ll think about the meanings of a blind subject and his walk through a maze city. Reality became plural and the human being can no longer see his epistemological safety. We´ll try to understand how the Portuguese writer has utilized these data through an ontological and postmodern dominant to analyze the human being and his connection with a world marked by a state of blindness, and then, through the fiction, to establish his questionings based on ethics and existence. 


Palavras-chave


ficção portuguesa; José Saramago; pós-modernismo. Portuguese fiction; José Saramago; post-modernism.

Texto completo:

PDF

Referências


AGUILERA, Fernando Gomez (sel. e org.). As palavras de Saramago. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

BRANDÃO, C. A. Leite. As cidades da cidade (org). Belo Horizonte: Editora UFMG, 2006.

CALINESCU, Matei. As cinco faces da modernidade: Modernismo, Vanguarda, Decadência, Kitsch, Pós-modernismo. Tradução: Jorge Teles de Menezes. Lisboa: Veja, 1999.

CERDEIRA, Teresa Cristina. O avesso do Bordado. Lisboa: Caminho, 2000.

FIGUEIREDO, Mônica. No corpo, na casa e na cidade: as moradas da ficção. Rio de Janeiro: Língua Geral, 2011.

______. Da cegueira à lucidez: o ensaio de um percurso. Algumas notas sobre a narrativa de José Saramago. In: Diadorim: Revista de Estudos Lingüísticos e Literários, n. 1. Rio de Janeiro: UFRJ, Programa de Pós-Graduação em Letras Vernáculas, 2006, p. 181-190.

GOMES, Renato Cordeiro. Todas as cidades, a cidade: literatura e experiência urbana. Rio de Janeiro: Rocco, 2008.

HEIDEGGER, Martin. A origem da obra de arte. Tradução: Maria da Conceição Costa. Lisboa: Edições 70, 1977.

______. Ser e Tempo. Parte I. 12 ed. Tradução: Márcia Sá Cavalcante Schuback. Petrópolis: Editora Vozes, 2002.

______. Ser e Tempo. Parte II. 6 ed. Tradução: Márcia Sá Cavalcante Schuback. Petrópolis: Editora Vozes, 1998.

______. Sobre a essência da verdade. Tradução: Ernildo Stein. São Paulo: Livraria Duas Cidades, 1970.

HUTCHEON, Linda. Poética do Pós-Modernismo. Tradução: Ricardo Cruz. Rio de Janeiro: Imago, 1991.

HUYSSEN, Andreas. Mapeando o pós-moderno. In: HOLLANDA, Heloísa (org). Pósmodernismo e política. Rio de Janeiro: Rocco, 1991, p. 15-80.

LANCRI, J. A arte de exorbitar o olhar sobre a Parábola dos cegos de Bruegel. In: FABRIS, A. KERN, M. (org). Imagem e conhecimento. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2006, p. 113-134.

LIMA, Isabel Pires de. Traços pós-modernos na ficção portuguesa atual. In: Revista Semear 4. Rio de Janeiro: NAU, 2000, p. 9-28.

McHALE, Brian. Postmodernist Fiction. London and New York: Routledge, 1987.

NIETZSCHE, Friedrich. Assim falou Zaratustra. Tradução: Mário da Silva. São Paulo: Círculo do Livro, 1979.

NUNES, Benedito. Heidegger & Ser e Tempo. 2 ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2004.

SARAMAGO, José. Ensaio sobre a Cegueira. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

SEIXO, Maria Alzira. Lugares da ficção em José Saramago. Lisboa: Imprensa Nacional – Casa da Moeda, 1999.

TADIÉ, Jean-Yves. O romance no século XX. Tradução: Miguel Serras Pereira. Lisboa: Dom Quixote, 1992.

TEIXEIRA, Evilázio. Vattimo. In: PECORARO, Rossano (org). Os filósofos: clássicos da filosofia v. III. Rio de Janeiro: PUC-Rio, 2009, p. 376-397.

VATTIMO, Gianni. O fim da modernidade: Niilismo e Hermenêutica na cultura pósmoderna. Tradução: Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 1996.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Estação Literária
Londrina/ PR
ISSN: 1983-1048
E-mail: estacaoliteraria@uel.br