A CAMINHADA DE DUAS PERSONAGENS: VIDA E PEREGRINAÇÃO NO AUTO DA ALMA DE GIL VICENTE E EM MORTE E VIDA SEVERINA DE JOÃO CABRAL DE MELO NETO

Lígia Rodrigues Balista

Resumo


 Exponho aqui uma leitura comparativa entre os textos Auto da Alma, de Gil Vicente, e Morte e Vida Severina, de João Cabral de Melo Neto. A análise feita – fruto de minha pesquisa de Mestrado (defendida pela Unicamp, em 2012) – procura ler os textos escolhidos a partir do estudo da tópica da peregrinação na literatura. Investigo, então, como se constrói nos textos literários um tipo específico de viagem: a vida como caminhada; comentando de maneira mais ampla a tópica da peregrinatio na tradição cristã e abordando mais especificamente como essa imagem é trabalhada na construção dos dois textos poemas.

This paper brings a comparative reading of two texts: Auto da Alma, by Gil Vicente, and Morte e Vida Severina, by João Cabral de Melo Neto. Product of my Master's Degree research (defended at Unicamp in 2012) it introduces an analysis of the mentioned texts read from the topic of the pilgrimage in literature. It investigates a specific type of travel in literary work: life as a walk, by studying the topic of peregrinatio in Christian tradition and more specifically addressing how this image is crafted to construct the two poems.


Palavras-chave


caminhada; peregrinação; “Auto da Alma”; “Morte e Vida Severina”. walk; pilgrimage; "Auto da Alma"; "Morte e Vida Severina".

Texto completo:

PDF

Referências


AGOSTINHO, Santo. Confissões. Tradução: M. L. J. Amarante. 21 ed. São Paulo: Paulus, 1984.

ALVES, M. T. A. Gil Vicente no nordeste brasileiro. In: Gil Vicente 500 anos depois: actas do Congresso Internacional realizado pelo Centro de Estudos de Teatro da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 2003, p. 241-252.

BALISTA, Lígia. Auto e peregrinação: a metáfora da caminhada no "Auto da Alma" e em "Morte e Vida Severina. (Dissertação de mestrado). Campinas: UNICAMP, 2012.

Bíblia de Jerusalém. São Paulo: Paulus, 2008.

BUNYAN, John. O Peregrino. Tradução: E. P. Ferreira. São Paulo: Mundo Cristão, 1999a.

______. A Peregrina. Tradução: E. P. Ferreira. São Paulo: Mundo Cristão, 1999b.

CARNEIRO, Alexandre. S. Notas sobre as origens do teatro de Gil Vicente. (1992). 126p. (Dissertação de mestrado). Campinas: UNICAMP, 1992.

DIGULLEVILLE, Guillaume de. Pèlerinage de Vie Humaine. Disponível em: http://gallica.bnf.fr/ark:/12148/btv1b90582352/f10.image, acesso em 22/01/2012.

GILSON, Étienne. Introdução ao Estudo de Santo Agostinho. Tradução: C. N. A. Ayoub. São Paulo: Discurso Editorial; Paulus, 2006.

MELO NETO, João Cabral. Morte e Vida Severina e outros poemas para vozes. 34 ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1994a.

______. Obra Completa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1994b.

NUNES, Benedito. João Cabral: A Máquina do Poema. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2007.

RECKERT, Stephen. Espírito e letra de Gil Vicente. Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 1983.

SARAIVA, António José. Gil Vicente e o Fim do Teatro Medieval. 4 ed. Lisboa: Gradiva, 1992.

SECCHIN, Antônio Carlos. Do concreto ao concreto. In: João Cabral: A Poesia do Menos e outros ensaios cabralinos. São Paulo; Brasília, DF: Livraria Duas Cidades, 1985, p. 107117.

VICENTE, Gil. Compilaçam de Todalas Obras de Gil Vicente. Lisboa: Imprensa nacionalCasa da Moeda, 1983.

______. Três autos: da Alma, da Barca do Inferno, de Mofina Mendes. 8 ed. Rio de Janeiro: Ediouro, 1996.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Estação Literária
Londrina/ PR
ISSN: 1983-1048
E-mail: estacaoliteraria@uel.br