A ESTRADA E O RETORNO EM DÔRA, DORALINA, DE RACHEL DE QUEIROZ

Maria Eveuma de Oliveira, Manoel Freire

Resumo


Este artigo procura mostrar como a protagonista da obra Dôra, Doralina (1975), de Rachel de Queiroz, constrói sua identidade no percurso da estrada com a vida errante que ela escolhe para si. Observa-se que algumas pessoas mantém seu trajeto em uma única linha, conservando a mesma identidade a vida toda, outras vão mudando de linhas em determinados tempos, compondo suas singularidades e conhecendo outras maneiras de estar no mundo. Para Peixoto (1987), o viajante reescreve uma história em cada lugar que passa, apesar de sentir um enorme desejo de encontrar onde ficar, onde possa criar raízes que lhe sirvam como uma referência de origem.


This article intends to show the way that the protagonist of the novel Dôra, Doralina (1975), by Rachel de Queiroz, constructs her identity in the path of the road with the wandering life she chose for herself. It is observed that some people keep their path in a single line, keeping the same identity during all their lives, others are changing lines at certain times, making their singularities and knowing other ways of being in the world. For Peixoto (1987), the traveler rewrites a story in every place that he passes, even he feels a huge desire to find where to stay, where he can take root that will serve as a reference source. 


Palavras-chave


estrada; identidade; retorno. road; identity; return.

Texto completo:

PDF

Referências


BENJAMIN, Walter. Charles Baudeleire um lírico no auge do capitalismo. Tradução: José Martins Barbosa. São Paulo: Brasiliense, 1989.

CHEVALIER, Jean; GHEERBRANT, Alain. Dicionário de símbolos: mitos, sonhos, costumes, gestos, formas, figuras, cores, números. 24 ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 2009.

COSTA, Rogério Haesbaert da. O mito da desterritorialização: do “fim dos territórios” à multiterritorialidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2004.

HOLLANDA, Heloísa Buarque de. Rachel de Queiroz. Rio de Janeiro: Agir, 2005.

PEIXOTO, Nelson Brissac. Cenários em ruínas: a realidade imaginária contemporânea. São Paulo: Brasiliense, 1987.

QUEIROZ, Rachel. Melhores crônicas. São Paulo: Global 2006.

______. Dôra, Doralina. 20 ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 2004.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Estação Literária
Londrina/ PR
ISSN: 1983-1048
E-mail: estacaoliteraria@uel.br