Variação nômade: Henry Miller, filosofia e o combate contra juízo

Daniel Rossi, Maria Clara Bonetti Paro

Resumo


Discutimos o romance Trópico de câncer de Henry Miller partindo do conceito de nomadismo, como cunhado por Deleuze e Guattari. A relação entre filosofia e literatura é muito produtiva para ambas. Um fenômeno de dupla captura entre essas duas áreas que é característico de um pensamento nômade: a literatura de que engendra a filosofia que, por sua vez, engendra a literatura, estabelecendo conexões, novas relações entre os termos distintos em uma variação nômade que destitui a imagem clássica de pensamento de sua eminência: uma perspectiva entre filosofia e literatura como forma de discutir o nomadismo do romance de Miller. Sendo assim, o encadeamento entre filosofia e literatura tem por objetivo captar os trajetos millerianos neste novo espaço do pensamento, que se faz abdicando da origem, humana ou divina, e se coloca como pensamento produtivo e afirmativo do real em um combate travado contra a faculdade do juízo, ou simplesmente do Juízo, em todas as suas formas.


Palavras-chave


Nomadismo; Henry Miller; Trópico de câncer; Filosofia. Nomadism; Henry Miller; Tropic of cancer; Philosophy

Texto completo:

PDF

Referências


BRADBURY, Malcolm. O romance americano moderno. Tradução: Barbara Heliodora. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1991.

CARPEAUX, Otto Maria. Trópico de Câncer – de Henry Miller. In: SEIXAS, Heloísa (org). As obras-primas que poucos leram. Rio de Janeiro: Record, 2004.

DELEUZE, Gilles. Conversações, 1972-1990. Tradução: Peter Pál Pelbart. São Paulo: Editora 34, 1992.

______. Para dar um fim ao juízo. In: DELEUZE, Gilles. Crítica e clínica. Tradução: Peter Pál Pelbart. São Paulo: Editora 34, 1997, p. 143-153.

______. Foucault. Tradução: Claudia Sant’Anna Martins. São Paulo: Brasiliense, 2005.

______. Pensamento nômade. In: DELEUZE, Gilles. A ilha deserta: e outros textos. Org. da tradução: Luiz B. Orlandi. São Paulo: Iluminuras, 2006, p. 319-329.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. Tradução: Aurélio Guerra Neto e Célia Pinto Costa. São Paulo: Editora 34, 1995, vol. 1.

______. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. Tradução: Peter Pál Pelbart e Janice Caiafa. São Paulo: Editora 34, 1997, vol. 5.

DELEUZE, Gilles; PARNET, Claire. Diálogos. Tradução: José Gabriel Cunha. Lisboa: Relógio d'água, 2004.

MILLER, Henry. Trópico de câncer. Tradução: Beatriz Horta. Rio de Janeiro: José Olympio, 2006.

MILLER, Henry; WICKES; George. The art of fiction: Henry Miller. In: The Paris review, n. 28, 2004. Disponível em: , acesso em 05 Maio 2010.

NIETZSCHE, Friedrich Wilhelm. Escritos sobre educação. Organização e tradução: Noéli Correia de Melo Sobrinho. São Paulo: Edições Loyola, 2004.

______. O nascimento da tragédia, ou helenismo e pessimismo. Tradução: J. Ginsburg. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

PELBART, Peter Pál. O tempo não-reconciliado. São Paulo: Editora Perspectiva, 2005.

VAN GELRE, Henk. A linguagem da vida. In: NASCIMENTO, Esdras do. O mundo de Henry Miller. Rio de Janeiro: Gráfica Editora Record, 1969, p. 109-117.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Estação Literária
Londrina/ PR
ISSN: 1983-1048
E-mail: estacaoliteraria@uel.br