A representação do grotesco modernista em A metamorfose, de Franz Kafka, e no romance Chove nos campos de cachoeira, de Dalcídio Jurandir

Viviane Dantas Moraes

Resumo


A proposta deste trabalho de analisar as obras A metamorfose (1912) e Chove nos Campos de Cachoeira (1941), ou melhor, os seus protagonistas – Gregor Samsa e Eutanázio, respectivamente – é uma abordagem do grotesco na sua conceituação mais modernista do termo, a chamada “grotesco estranho”. O propósito não é fazer comparações e muito menos identificar influências entre ambos. A semelhança entre eles existe no sentido de que são autores do século XX, que captaram bem a atmosfera de mudança provocada pelo fenômeno da modernidade e, de alguma forma, deixaram transparecer esse fato nas suas obras, através de seus personagens.

 


Palavras-chave


Grotesco; Modernidade; Alma.

Texto completo:

PDF

Referências


BAKHTIN, Mikhail. A cultura popular na Idade Média: o contexto de François Rabelais. Trad. Yara Frateschi Vieira. 6. ed. São Paulo: Hucitec, 2008.

BERMAN. Marshall. Tudo que é sólido desmancha no ar: a aventura da modernidade. Trad. Carlos Felipe Moisés, Ana Maria L. Ioriatti. São Paulo: Cia das Letras, 2007.

DOSTOIÉVSKI, Fiodor Mikháilovitch. Os irmãos Karamázovi. São Paulo: Abril, 1971.

JURANDIR. Dalcídio. Chove nos Campos de Cachoeira. Ed. Especial. Belém: Cejup/Secult, 1997.

KAFKA, Franz. A metamorfose. Trad. Pietro Nasseti. São Paulo: Martin Claret, 2004.

KAYSER, Wolfgang. O Grotesco. Trad. J. Guinsburg. São Paulo: Perspectiva, 2003.

MOISÉS, Massaud. História da Literatura Brasileira: Modernismo, Vol. III. 6. ed. São Paulo: Cultrix, 2009.

RUSSO, Mary. O grotesco feminino: risco, excesso e modernidade. Trad. Talita M. Rodrigues. Rio de Janeiro: Rocco, 2000.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Estação Literária
Londrina/ PR
ISSN: 1983-1048
E-mail: estacaoliteraria@uel.br