O testemunho de um dos homossexuais esquecidos da memória

Tiago Elídio

Resumo


Este artigo aborda a autobiografia Moi, Pierre Seel, déporté homosexuel (“Eu, Pierre Seel, deportado homossexual”, sem tradução para o português), testemunho de um francês homossexual que falou abertamente sobre sua experiência de deportado durante a Segunda Guerra Mundial e de prisioneiro de campo de concentração nazista. Utilizando como embasamento teórico a Teoria do Testemunho, que estuda os diversos tipos de narrativas testemunhais sobre situação de violência e eventos limites, o foco desse trabalho é observar as questões referentes a esse tipo de produção do ponto de vista de um homossexual. Além disso, busca-se elucidar as razões que levaram os sobreviventes homossexuais a ficarem fadados por tanto tempo ao esquecimento da história oficial.


Palavras-chave


Nazismo; Homossexualidade; Testemunho; Autobiografia.

Texto completo:

PDF

Referências


AGAMBEN, Giorgio. O que resta de Auschwitz: o arquivo e a testemunha. São Paulo, Boitempo, 2008.

ERIBON, Didier. Reflexões sobre a questão gay. Rio de Janeiro, Companhia de Freud, 2008.

LE BITOUX, Jean. Les oubliés de la Mémoire. Paris, Hachette Littératures, 2002.

LEVI, Primo. É isto um homem?. Rio de Janeiro, Rocco, 1988.

______. Os afogados e os sobreviventes. São Paulo, Paz e Terra, 2004.

POLLAK, Michael. Os Homossexuais e a Aids: sociologia de uma epidemia. São Paulo, Estação Liberdade, 1990.

SEEL, Pierre; LE BITOUX, Jean. Moi, Pierre Seel, déporté homosexuel. Paris, Éditions Calmann-Lévy, 1994.

SELIGMANN-SILVA, Márcio (org.). O local da diferença: ensaios sobre memória, arte, literatura e tradução. São Paulo, Editora 34, 2005.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Estação Literária
Londrina/ PR
ISSN: 1983-1048
E-mail: estacaoliteraria@uel.br