Os abusos do narrador na revisitação do passado e o processo de encaixe em Caim, de José Saramago

Rosidelma Pereira Fraga

Resumo


Este artigo tem como objetivo fulcral analisar o mais recente romance do escritor português, José Saramago. O romance foi criado a partir da técnica de encaixe, para se pensar na proposta de Tzvetan Todorov (1970). Nessa perspectiva de encaixe e releitura, o presente texto parte dos arquétipos estruturalistas e formalistas para conceber o romance como uma narrativa de revisitação, desconstrução e reconstrução da escritura, como se lê em Roland Barthes (1971). O que importa ao leitor é o como a história é contada na consagração de um instante, porque o narrador instaura a ambiguidade na estrutura da narrativa para um segundo nível de leitura, a crítica.


Palavras-chave


Narrador; Narratário; Personagem; José Saramago.

Texto completo:

PDF

Referências


ARISTÓTELES; HORÁCIO, LONGINO. A poética clássica. 7. ed. Trad. Jaime Bruna. São Paulo: Cultrix, 1997.

BAKHTIN, M. Questões de literatura e de estética: a teoria do romance. Trad. Bernadini et al. 4. ed. São Paulo: Unesp, 2002.

BARTHES, Roland. A escritura do romance. In: ______. O grau zero da escritura. Trad. Anne Arnichand e Álvaro Lorecini. São Paulo: Cultrix, 1971.

CALVINO, Ítalo. Por que ler os clássicos. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

CANDIDO, Antonio. A personagem de ficção. 4. ed. São Paulo: 1976

CHKLOVSKY, Vítor. A construção da novela e do romance. In: Teoria da Literatura: formalistas russos. 9. ed. Trad. Ana Maria R. Filiposki et al, Porto Alegre: Globo, 1973.

FRAGA, Rosidelma, Pereira. Uma narrativa histórica e dialógica no romance Memorial do Convento, de José Saramago. Revista Itinerarius Reflectionis, vol. 2. n. 7, 2009. Disponível em: http://www2.jatai.ufg.br/ojs/index.php/itinerarius. Acesso em: 30 maio, 2010, p. 1-12.

GENETTE, Gérard. O Discurso da Narrativa. Trad. Fernando Cabral Martins. Lisboa, Portugal: Vega/Universidade Lda, 1985.

JENNY Laurent. A estratégia da forma. In: Poétique: Revista de Teoria e Analise Literária. Intertextualidades. Coimbra, 1979.

KRISTEVA, Julia. Introdução à semanálise. São Paulo: Perspectiva, 1974.

LUKÁCS, Georg. A teoria do romance. Trad. José Marcos Mariani de Macedo. Rio de Janeiro: Duas cidades, 2003.

NUNES, Benedito. O tempo na narrativa. São Paulo: Ática, 1988.

PERRONE-MOISÉS, Leyla. Flores da Escrivaninha. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

POUILLON, Jean. O tempo no romance. São Paulo: Cultrix/Edusp, 1974.

SARAMAGO, José. Caim. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

______. O evangelho segundo Jesus Cristo. São Paulo: Cia. das Letras, 1994.

______. Memorial do convento. 20. ed. Lisboa: Caminho, 1984.

TODOROV, Tzvetan. As estruturas narrativas. 2. ed. São Paulo: Perspectiva, 1970.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Estação Literária
Londrina/ PR
ISSN: 1983-1048
E-mail: estacaoliteraria@uel.br