Violência e rap em Cidade de Deus: Sobre a representação do outro na literatura brasileira

Marcelo Tadeu Schincariol

Resumo


O artigo parte da análise de uma experiência literária contemporânea que tem como centro a representação da figura do marginalizado, nos sentidos social, econômico e geográfico do termo. Trata-se de Cidade de Deus, de Paulo Lins. A complexa solução formal encontrada para o romance, estreitamente ligada ao tema da violência, permite questionar a possibilidade de um “bem-sucedido” tratamento estético – concebido nos moldes despojados previstos pelas tendências literárias contemporâneas – quando não existe uma fronteira muito clara entre o escritor e o outro a ser representado na literatura.


Palavras-chave


Literatura brasileira contemporânea; Romance brasileiro; Representação da violência.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVIM, F. Elefante. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

ARÊAS, V. Errando nas quinas da Cidade de Deus. PRAGA: estudos marxistas 5, São Paulo: Hucitec, 1998.

BUENO,W. Narrativa é caricatural e pretensiosa, diz crítico. O Estado de São Paulo, São Paulo, 23 ago 1997. Caderno 2.

CARONE, M. Resumo de Ana. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

LACERDA, R. Mosaico da violência. Folha de São Paulo, São Paulo, 8 nov. 1997. Jornal de Resenhas, p. 5.

LINS, P. Cidade de Deus. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Estação Literária
Londrina/ PR
ISSN: 1983-1048
E-mail: estacaoliteraria@uel.br