U gaso du poeta, barbiere i giurnaliste Juó Bananére

Alita Tortello Caiuby

Resumo


Este artigo pretende divulgar e comentar, a partir de uma seleção, as pesquisas feitas a respeito do autor macarrônico Juó Bananére. Pseudônimo de Alexandre Marcondes, o poeta fez muito sucesso nos anos de 1910 quando publicava na revista O Pirralho, fundada pelo modernista Oswald de Andrade. Tal reconhecimento lhe rendeu algumas pesquisas no meio acadêmico. A proposta é mostrar, no entanto, que sua fortuna crítica encontra-se em formação, dada a quantidade de material ainda não estudado.


Palavras-chave


Juó Bananére; Fortuna crítica; Modernismo.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, Ana Paula Freitas de. Juó Bananére: verve, litteratura, futurisimo, cavaçó, ecc. ecc. – indexação e reunião de textos macarrônicos publicados de 1911 a 1933. São Paulo, 1999. Dissertação de Mestrado – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo.

ANTUNES, Benedito. Juó Bananére: as cartas d’abax’o pigues. São Paulo: Unesp, 1998.

CAPELA, Carlos Eduardo Schmidt. A farsa como método: (a produção macarrônica de Juó Bananére nas revistas O Pirralho, O Queixoso e a Vespa). Leuven. NE, 1996. Dissertação de Mestrado - Faculteit Letteren, Katholieke Universiteit Leuven.

CARELLI, Mário. Carcamanos e comendadores. Trad. Ligia Maria Pondé Vassallo. São Paulo: Ed. Ática, 1985.

CARMO, Maurício Martins do. Paulicéia scugliambada, paulicéia desvairada: Juó Bananére e a imagem do Itália no na literatura brasileira. Niterói: Editora da Universidade Estadual Fluminense, 1998.

CARPEAUX, Otto Maria. Uma voz da democracia paulista. In: Presenças. Rio de Janeiro: Instituto Nacional do Livro, 1958. pp. 200-4.

FONSECA, Cristina. Juó Bananére: o abuso em blague. São Paulo: Editora 34, 2001.

LEITE, Sylvia H. T. de Almeida. Chapéus de Palha, panamás, plumas, cartolas, rigalegios: a caricatura na literatura paulista (1900 – 1920). São Paulo: Fundação Editora da Unesp, 1996.

MACHADO, Antônio de Alcântara. Cavaquinho e Saxofone. Rio de Janeiro: José Olympio, 1940.

______. Brás Bexiga e Barra Funda – Laranja da China. São Paulo: Martins Editora, 1944.

MARQUES, Francisco Cláudio Alves Marques. O imigrante italiano em Juó Bananére e António de Alcântara Machado: assimilação e (des)enraizamento social. São Paulo, 2005. Dissertação de Mestrado – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo.

VITALINO, Wilma da Silva. Juó Bananére no “Diário do Abax´o Piques”. Assis, 2004. Dissertação de Mestrado – Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista.

SÃO PAULO DE JUÓ BANANÉRE. João Cláudio de Sena. São Paulo, 1998. Vídeo (Betacam).


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Estação Literária
Londrina/ PR
ISSN: 1983-1048
E-mail: estacaoliteraria@uel.br