Reside a poesia nos fatos?

Aline Amadio

Resumo


Naqueles anos o panorama cultural era inóspito e nada aprazível. Foram anos de repressão e censura. A ditadura militar ocorrida neste país deixou profundas marcas culturais. Ocorreram várias inovações na música, na literatura e nas artes cênicas. Porém, o objeto de estudo deste artigo será a poesia. Especificamente a que se costuma chamar marginal. Buscamos elucidar quais são os mecanismos geradores da sensibilidade contemporânea que move este movimento. E, para tanto, usaremos como respaldo poético alguns poemas de Cacaso, um dos principais articuladores da marginália.


Palavras-chave


Poesia marginal; Modernidade; Re-subjetivação; Sensibilidade.

Texto completo:

PDF

Referências


BRITO, Antônio Carlos de. Lero-lero. Rio de Janeiro: 7 Letras, São Paulo: Cosac & Naif, 2002.

MAGALHÃES, Milena. Cacaso não é bem o caso do acaso. Alea, jan. 2006, vol. 8, n. l, p.111-126.

PEREIRA, Carlos Alberto Messeder. Retrato de época: poesia marginal anos 70. Rio de Janeiro: FUNARTE, 1981.

SIMON, Iumna Maria; DANTAS, Vinícius. Poesia Ruim, sociedade pior. Novos Estudos CEBRAP, n. 12. São Paulo: junho de 1985.

SUSSEKIND, Flora. Literatura e vida literária: polêmicas, diários e retratos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1985.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Estação Literária
Londrina/ PR
ISSN: 1983-1048
E-mail: estacaoliteraria@uel.br