Um lugar para o leitor de poesia

Priscila Finger do Prado

Resumo


Este trabalho pretende considerar o lugar do leitor de poesia, diante das liberdades e opressões apresentadas por algumas correntes dos estudos literários. Seria o mesmo espaço reservado para o leitor de prosa? Haveria menos liberdade do leitor diante do texto poético, pela exigência de habilidades específicas?A fim de se buscar uma exemplificação para as reflexões pretendidas com este artigo, utilizar-se-á um poema de Mario Quintana, que será analisado, ao longo da discussão.

 


Palavras-chave


Leitura; Poesia; Liberdades; Opressões.

Texto completo:

PDF

Referências


BARTHES, Roland. Da leitura. In: O rumor da língua. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

______. Escrever a leitura. In: O rumor da língua. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

______. O prazer do texto. Lisboa: Edições 70, LDA, 1974.

CANDIDO, Antônio. Literatura e sociedade: estudos de Teoria e História Literária. São Paulo: T. A. Queiroz, 2000.

COMPAGNON, Antoine. O leitor. In: O demônio da teoria. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2003.

ECO, Umberto. O leitor-Modelo. In: Lector in fabula. São Paulo: Perspectiva, 2004.

QUINTANA, Mario. Prosa & verso. Porto Alegre: Globo, 1978.

TREVISAN, Armindo. A poesia: uma iniciação à leitura poética. Porto Alegre: Uniprom, 2000.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Estação Literária
Londrina/ PR
ISSN: 1983-1048
E-mail: estacaoliteraria@uel.br