A Preceptora emThe Turn of the Screw: o anjo do lar, a prostituta e a louca

Linda Catarina Gualda

Resumo


O termo preceptora denota um deslocamento social, já que, sem face definida, a mulher não encontra na sociedade vitoriana um espelho que a identifique. Por isso, é comum associá-la à louca ou à prostituta, negando sua inserção no espaço da feminilidade. Rotular a mulher nesses termos significa excluí-la, anulando-a como Outro que não se encaixa em posição alguma. Na obra, a protagonista passa por uma crise existencial: ora mãe, ora prostituta, ora louca, a governanta transita entre querer desempenhar o papel de anjo do lar e extravasar seus desejos sexuais reprimidos. O resultado dessa batalha interna é a perda da consciência culminando na adoção de uma postura paranóica. Desse modo, pretende-se discutir como essas três funções destinadas à preceptora inglesa do século XIX acabam por dominar a jovem governanta de The Turn of the Screw fazendo dela um caleidoscópio de mulher. 

 


Palavras-chave


Representações do feminino; Preceptora inglesa; Repressão sexual.

Texto completo:

PDF

Referências


BRANCO, Lúcia Castello. O que é escrita feminina. São Paulo: Brasiliense, 1991.

CHEVALIER, J. & GHEERBRANT, A. Dicionário de Símbolos. Rio de Janeiro: José Olympio, 1994.

FROMM, Erich. Anatomia da Destrutividade Humana. Trad. Marco Aurélio de Moura Matos. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1975.

JAMES, Henry. The Turn of the Screw. São Paulo: Landmark, 2004.

LOPES, Francisco Carlos. A Eficácia do Parafuso. In: JAMES, Henry. The Turn of the Screw. Trad. Chico Lopes. São Paulo: Landmark, 2004.

LORENZ, K. On Aggression. New York: Harcourt Brace Jovanovich, 1966.

MONTEIRO, Maria Conceição. Sombra errante: a preceptora na narrativa inglesa do século XIX. Niterói: EdUFF, 2000.

SCHWENGER, Peter. The Masculine Mode. In: SHOWALTER, Elaine. Speaking of gender. New York: Routledge, 1989.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Estação Literária
Londrina/ PR
ISSN: 1983-1048
E-mail: estacaoliteraria@uel.br