Memórias da infância: o encontro poético entre Lobivar Matos e Manoel de Barros

Susylene Dias de Araújo

Resumo


Este artigo tem o objetivo principal de promover um encontro poético como representa- ção de um reencontro da vida. Lobivar Matos e Manoel de Barros foram amigos na infância vivida pelos espaços da branca cidade de Corumbá, e embora de famílias diferentes, receberam o sobrenome Barros em seus registros de nascimento: um datado de 1915 e o outro de 1916. Lobivar, o mais velho, teve sua vida abreviada aos 32 anos de idade, Manoel continua entre nós. Assim, evocar a memória da infância aqui reinventada pela poesia de ambos é desafiar alguns limites da própria existência. Nos caminhos trilhados pelos estudos da critica biográfica, em sua natureza compósita, a vida e a obra destes poetas serão ilustradas em algumas de suas experiências.

 


Palavras-chave


Lobivar Matos; Manoel de Barros; Memórias.

Texto completo:

PDF

Referências


BARROS, Manoel de. Poemas Concebidos sem pecado. Rio de Janeiro: Record, 1999.

______. Memórias Inventadas. A Infância. São Paulo: Planeta, 2003.

______. Memórias inventadas. A Segunda Infância. São Paulo: Planeta, 2006.

DERRIDA. Jacques. Mal de arquivo: uma impressão freudiana. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2001.

MATOS, Lobivar. Areôtorare: Poemas Boróros. Rio de Janeiro: Irmãos Pongetti, 1935.

MATOS, Lobivar. ,/i>Sarobá. Rio de Janeiro: Minha Livraria Editora, 1936.

SARAMAGO, José. As pequenas memórias. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

TRÊS momentos de um gênio. Caros Amigos, São Paulo, ano X, n.117, p. 29-33, Dez. 2006.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Estação Literária
Londrina/ PR
ISSN: 1983-1048
E-mail: estacaoliteraria@uel.br